Álvaro Porto se junta a produtores e cobra ação do governo em defesa da bacia leiteira

Saiba mais informações clicando no link

Aline Corrêa e Edilson Tavares recebem Marinaldo Rosendo em ritmo de carreata
Lessa inaugura comitê neste sábado (03)
Deputado Clóvis Paiva se reúne com o senador Fernando Bezerra Coelho

O deputado estadual Álvaro Porto (PTB) se alia aos produtores rurais do Agreste na luta contra a fixação do preço do litro do leite em valores que não garantem lucro e nem mesmo cobrem os custos dos pequenos fornecedores. Movimentação das empresas de laticínios que compram o leite dos produtores têm tentado tabelar o valor em cerca de R$ 1,00, de acordo com informações do segmento. Importante lembrar que em 2018 o preço chegou a ser R$ 1,50.

O deputado coloca o mandato à disposição do setor e cobra uma atitude do governador Paulo Câmara e da Secretaria de Desenvolvimento Agrário no sentido de proteger os produtores e evitar uma quebradeira na bacia leiteira de Pernambuco.

“A estratégia das empresas vem acarretando prejuízos aos produtores e, se não forem tomadas medidas concretas de proteção ao segmento, muitos terão a produção inviabilizada, gerando mais desemprego, acabando com o sustento de milhares de famílias e comprometendo a sobrevivência econômica de toda a região”, afirma Porto. “É importante lembrar que os produtores vêm enfrentando dificuldades de toda ordem. Depois de dez anos de seca, a pandemia esfriou os negócios e o preço do grãos usados como ração, a exemplo da soja e do milho, aumentou”, diz.

As empresas de laticínios, informam produtores, estão propondo pagar menos enquanto comercializam os produtos resultantes do leite do Agreste com valores que só aumentam nas prateleiras dos supermercados. “O valor não cobre nem os custos e, consequentemente, não assegura lucro algum. As perdas estão se acumulando. Temos visto muitos produtores sendo obrigados até mesmo a jogar fora o produto do seu trabalho, porque não há como vender o leite com prejuízo ”, observa.

Ele conta que tem recebido apelos de prefeitos e outras lideranças políticas e também dos próprios produtores. “A preocupação é imensa e a indignação também. Nas conversas e nas manifestações vistas nas redes sociais o sentimento de revolta com a falta de ação da Secretaria de Desenvolvimento Agrário é expressivo. A situação só se agrava a cada dia e não se vê nenhuma medida para conter a imposição das empresas que têm alto lucro com beneficiamento do leite comprado no Agreste ”, frisa.

O deputado reitera que seu gabinete está à disposição dos produtores para promover uma mobilização que pressione o governo do estado a agir em defesa dos produtores. Entre as cobranças que vem sendo apresentadas pelos produtores ao secretário de Desenvolvimento Agrário, Claudiano Martins Filho, estão a abertura de diálogo com os laticínios e o estabelecimento de uma política de preços justa, sobretudo junto às empresas que recebem incentivos fiscais do Estado.

“Muitas delas, vale destacar, foram atraídas para os municípios da bacia leiteira por meio de benefícios oficiais com o compromisso de comprar o leite local. Agora, com esta fixação do litro num valor mais baixo, podem quebrar a região”, afirma.

Para Porto, passou da hora de o Estado assumir o seu papel e a secretaria tomar providências. “A soma da imposição do preço pelos laticínios com a falta de interesse e pulso do governo impedirá a sobrevivência nos quase 30 municípios da bacia leiteira estadual”, salienta.

Atualmente, 60 mil produtores respondem pela produção de aproximadamente 2.3 milhões de litros de leite por dia em Pernambuco.

COMMENTS