Antonio Coelho defende retorno das atividades da construção civil

Parlamentar alerta que setor pode enfrentar demissão em massa se nada for feito

Governo Bolsonaro recupera capacidade de investimento de Pernambuco, afirma Antônio Coelho
Deputado Fabrizio Ferraz assume presidência da Comissão de Segurança Pública da Alepe
Antônio Coelho costura apoio do PV para candidatura de Resende no Cabo

Parlamentar alerta que setor pode enfrentar demissão em massa se nada for feito – Foto: Ivaldo Reges

Diante da possibilidade de desemprego que se avizinha à construção civil, um dos setores que mais emprega em Pernambuco, o deputado estadual Antonio Coelho (DEM) faz um apelo ao governo estadual para que autorize a retomada das atividades. Em Indicação apresentada à Assembleia Legislativa, o democrata endossa as preocupações do segmento e pontua que a continuidade do fechamento pode ocasionar desemprego em massa.

“A representação da Construção no PIB industrial de Pernambuco chega a 21,3%. O setor é um dos que mais gera empregos diretos no Estado, com mais de 60 mil trabalhadores. Desse total, cerca de 40 mil estão fora dos canteiros de obras. A permanência da paralisação pode resultar em um grande número de demissões, com claro prejuízo para empresas, trabalhadores e Estado. A urgente retomada do setor faz-se necessária não só para garantir a manutenção dos empregos, mas para amenizar os efeitos causados pela suspensão das atividades”, defende o democrata, ressaltando que é importante superar essa grave crise de saúde, mas que também atinge a área socioeconômica.

O deputado expõe, ainda, que a paralisação total do setor não considerou a situação dos municípios, afetando-os indistintamente e de forma desproporcional. “A medida não observou a disseminação da doença em cada cidade ou região, imponto de forma desigual o sacrifício a todas as empresas e trabalhadores, mesmo aquelas com obras em municípios que não têm sequer casos de contágio pela Covid-19”, assinalou.

Antonio Coelho ressalta, no entanto, que, para o retorno das atividades, as empresas terão que adotar os protocolos sanitários necessários à preservação da saúde do trabalhador e à prevenção da contaminação pela Covid-19 estabelecidos pelas autoridades estaduais.

COMMENTS