As razões e os porquês do Grupo de Lula Cabral não votar em Jarbas

As razões e os porquês do Grupo de Lula Cabral não votar em Jarbas

Por Paulo Farias do Monte Em nome do Grupo político de Lula Cabral. “Não há fato isolado em política, nem seríamos grandes, se fizéssemos polí

Cabo ganhará sua primeira creche-modelo
Prefeitura do Cabo entrega 400 cestas básicas nesta quarta-feira (31)
Governo do Estado investe R$ 65 milhões no abastecimento de água e saneamento no Cabo

Por Paulo Farias do Monte
Em nome do Grupo político de Lula Cabral.

“Não há fato isolado em política, nem seríamos grandes, se fizéssemos política com o fígado, como muitos.
Todavia, não há mais o voto vinculado e, um líder pode até influenciar no voto, mas não faz bem, fazer os liderados deglutir um prato indigesto. Para nosso time, o prato indigesto tem o nome no cardápio e, chama-se Jarbas Vasconcelos.

E direi as razões e os porquês.
Não se trata de veto, nem tão pouco uma atitude caprichosa. A política e as relações carecem de reciprocidade.
Em 1999, nosso líder e atual Prefeito do Cabo, Lula Cabral assumiu seu primeiro mandato como Deputado Estadual.
Nesse ano, chegara à Assembleia as Contas do Ex Governador Miguel Arraes.

Lula Cabral não possuía qualquer relação com Arraes, nem muito menos com Eduardo Campos.
Lula recebeu ordem palaciana para votar pela reprovação das Contas de Arraes, sem qualquer razão ou justiça, apenas para impingir no velho Arraes a pecha de desonesto.

Eu mesmo, que a época, era Chefe de Gabinete, conversando com Lula Cabral senti nele o desconforto, vez que sempre ouvia de seu Pai, o Senhor Luiz Cabral que Arraes era homem de bem, de honra e moral irreprovável.

Diante desse fato, o Deputado Estadual Lula Cabral foi à Brasília e visitou os Gabinetes de Arraes e Eduardo, já que ambos eram Deputados Federais e, disse a ambos que votaria pela aprovação de suas contas por uma questão de justiça.

Arraes agradeceu e Eduardo Campos passou a nutrir grande amizade e consideração ao nosso Prefeito. Fez-se Justiça e Arraes que entrou pela porta que saiu, também saiu da política e da vida sem nenhuma mácula.

A Assembleia legislativa fez justiça e as Contas do velho mito, foram aprovadas.
Noutra esteira, Jarbas nunca mais aceitou Lula Cabral e, em 2000, mesmo sendo candidato a Prefeito do Cabo pelo PMDB sofríamos boicotes do Partido e dele, que sequer vinha ao Cabo e nos dava qualquer apoio, nos preterindo por nossos adversários, tudo pelos sentimentos mesquinhos do ódio e da vingança.

Em fim, em 2004, Lula Cabral fora eleito Prefeito do Cabo e, entre 2005/2006, estivemos na Prefeitura e Jarbas como Governador do Estado. Nada era enviado para o Cabo. Nunca fomos recebidos em Palácio.

Nem as relações institucionais entre os Municípios e o Estado mantinham-se saudáveis, para beneficiar o povo do Cabo. Ninguém mora no Estado e, sim, nos Municípios e, seja qual for o lado dos políticos os interesses do povo tem que está acima das questiúnculas.
Nas nossas campanhas, no Cabo, Jarbas e Henry sempre aliaram-se aos nossos adversários. Como se não bastasse, eles sempre vieram com discursos odientos e agressivos, inclusive contra a nossa honra e idoneidade.

Até mesmo em 2016, mesmo depois que Eduardo ajudou na sua ressurreição política, mesmo assim, veio ao Cabo junto com Raul, que mesmo sendo vice de Paulo, atacar o candidato do PSB.
Como Deputado Federal, mesmo sendo bem votado no Cabo, Jarbas nunca mandou um centavo para nosso Município.

Um líder não pode impor nada aos seus liderados. Ele atua sempre no convencimento. E nós que integramos o Grupo de Lula Cabral, temos um grande respeito por ele e, por ele somos respeitados. Não aceitamos o nome de Jarbas para Senador. Não nos sentimos bem ao lado dele.

São essas as razões e os porquês que nosso Grupo não votará no Candidato Jarbas Vasconcelos para o Senado.”

COMMENTS