Bancada pernambucana vai pressionar governo federal por permanência do Ramal do Suape na Transnordestina

Saiba mais informações clicando no link

Lei da Busca Ativa tenta acelerar formação de famílias adotivas
Solidariedade quer oito prefeituras em Pernambuco, em 2020
Cirurgias ginecológicas voltam a ser realizadas no Hospital Tricentenário de Olinda

A bancada pernambucana no Congresso Nacional realizou, nesta terça-feira, 27, uma reunião em defesa da permanência do Ramal de Suape no projeto da Ferrovia Transnordestina. O encontro virtual definiu a estratégia do grupo em torno da defesa de Pernambuco e contou com a presença do governador do estado, Paulo Câmara. “Entre as sugestões do nosso grupo está a produção de um documento mostrando todas as vantagens técnicas da permanência do Ramal de Suape no projeto. Nós produziremos esse documento e entregaremos ao presidente Jair Bolsonaro como uma demanda de nosso estado”, comentou o deputado federal Augusto Coutinho (Solidariedade-PE), que coordena a bancada ao lado do deputado federal Wolney Queiroz (PDT-PE).

Recentemente, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, declarou que não haveria demanda para dois ramais simultaneamente e que o Porto de Pecém, no Ceará, seria o único destino da ferrovia, excluindo o Porto de Suape, como constava no projeto original. A fala do ministro do presidente Bolsonaro foi reproduzida por jornais e causou indignação na bancada pernambucana e de setores produtivos na região Nordeste. Na última semana, a bancada produziu uma nota repudiando a decisão e elencando as vantagens técnicas da permanência do Ramal de Suape, que tem o melhor porto.

Na reunião desta terça-feira foram apresentadas as vantagens técnicas da permanência do Ramal de Suape. Entre elas, a de que a ferrovia até Suape é 100 km mais curta do que até Pecém, com investimento para conclusão das obras em torno de R$ 1,5 bilhão a menos. Outro aspecto é que o Ramal Suape é indiscutivelmente a alternativa ambientalmente mais sustentável e pode encurtar as distâncias, causando menores emissões de gases de efeito estufa. “A nossa demanda não é que o Ramal de Pecém seja excluído em detrimento da escolha do Ramal de Suape. O que queremos é que os dois ramais sejam construídos”, completou Augusto Coutinho.

COMMENTS