Cabo realiza roda de conversa sobre prevenção de suicídio com alunos da rede municipal

Cabo realiza roda de conversa sobre prevenção de suicídio com alunos da rede municipal

A grande influência dos jogos virtuais nos casos de suicídio tem levado a Prefeitura do Cabo de Santo Agostinho a desenvolver ações de prevenção

Oposição mesquinha, pensando nas eleições, não quer obras no Cabo
Paulo Câmara reúne prefeitos das cidades litorâneas do Estado
Vereadores da base de Paulo declaram apoio a Armando

A grande influência dos jogos virtuais nos casos de suicídio tem levado a Prefeitura do Cabo de Santo Agostinho a desenvolver ações de prevenção junto ao público jovem, o mais vulnerável.

Nesta sexta-feira (24/08), uma roda de conversa com o psicólogo Wandeilton França, na Escola Municipal Professora Maria José Paiva, em Ponte dos Carvalhos, abordou os principais sinais e formas de prevenção da autodestruição, para pais e alunos do 2º ano do ensino fundamental.

Desde o ano passado, a Secretaria de Saúde do município, através da coordenação de Saúde Mental, vem realizando um trabalho de orientação junto às comunidades, escolas e associações de moradores.  A palestra deu início às atividades do “Setembro Amarelo”, mês de prevenção ao suicídio.

O trabalho de prevenção desenvolvido pela Saúde do Cabo envolve uma parceria com as escolas, no sentido de acolher e prestar assistência aos estudantes da rede. A ideia é identificar sintomas comportamentais que mereçam a intervenção de profissionais e órgãos da saúde pública.

A ação desta sexta-feira (24) serviu para instruir os jovens com relação aos cuidados que devem ser tomados com os jogos online. O momento também foi importante para alertar os pais de como a mudança de fase da infância para a adolescência deve ser acompanhada de perto.

Segundo o psicólogo Wandeilton França, a participação das instituições educacionais junto com a família, é fundamental. “No momento o jogo que se encontra em destaque é o Momo, que busca desafiar crianças com brincadeiras agressivas e automutiladoras, estimulando o suicídio. Devido a isso, devemos estar em constante troca de informação, e estar sempre atento as atividades das crianças, dobrando a atenção não só nas escolas, como também em casa”, afirmou ele.

“As crianças precisam conhecer os perigos que cada brincadeira pode oferecer. Foi nessa intenção que decidimos criar a roda de conversa, para reunir pais e alunos em um só espaço, e poder discutir, por meio de um profissional, quais os riscos que todos estão sujeitos nesse universo da tecnologia”, destacou a gestora da Escola Municipal Professora Maria José Paiva, Paula Tenório.

O trabalho de prevenção desenvolvido pela Saúde do Cabo envolve uma parceria com as escolas, no sentido de acolher e prestar assistência aos estudantes da rede. A ideia é identificar sintomas comportamentais que mereçam a intervenção de profissionais e órgãos da saúde pública.

COMMENTS