CAMARAGIBE – Vereador diz que falta transparência na gestão de Nadegi Queiroz

Parlamentar questiona a destinação dos recursos que deveriam ser investidos no enfrentando ao Coronavírus

Novo presidente da Câmara de Camaragibe, Paulo André levanta suspeitas de favorecimento à ex-prefeitos inelegíveis e atual prefeita
Vereador Paulo André vistoria serviços em ruas do bairro dos Estados, em Camaragibe
Prefeito Meira dificulta os trabalhos da Câmara de Camaragibe através de manobra política


Na manhã desta terça-feira (28), a Câmara Municipal de Camaragibe realizou uma sessão ordinária para aprovar o projeto de lei Nº 050/2020, oriundo do Poder Executivo, que pedia abertura de mais crédito especial. A matéria gerou discussão entre os vereadores e o projeto, mesmo com parecer favorável das comissões, foi retirado para posterior aprovação. Na ocasião, estiveram presentes nove dos 13 parlamentares. O que segundo o vereador Toninho (PP), mostrou que mesmo a sessão tendo quórum, o presidente da Casa, vereador Paulo André (PSB), retirou o projeto porque sabia que não iria ser aprovado.

O vereador Toninho, que cobrou mais transparência no projeto, se retirou da sessão e acusou o presidente da Casa de ser conivente com o Executivo. “O Legislativo já tinha aprovado 40% de crédito especial, e até agora, não sabemos com o que a prefeita Nadegi Queiroz (Republicanos) gastou esse dinheiro. Além disso, onde está o dinheiro do pré-sal, mais de R$ 4 milhões que o município recebeu e os mais de R$ 2 milhões enviados pelo Governo Federal para o combate ao coronavírus na cidade?”, perguntou o vereador.

Ainda segundo Toninho, o projeto não deixa claro de onde viria esse dinheiro. “Esse crédito especial seria para educação, saúde e assistência social. A educação não está funcionando, tudo parado por conta da pandemia, então para que ela quer esse recurso? A Saúde já recebeu verbas para investimentos, e o dinheiro já está disponível. O mais agravante é ver que os serviços públicos não estão funcionando como deveriam funcionar. Pessoas não conseguem nem atendimento no hospital municipal; guardas municipais estão morrendo porque a gestão não compra simples máscaras para proteção. Isso é um absurdo, e não posso compactuar com essas ações!”, disparou o parlamentar.

COMMENTS