CAOS NA SAÚDE – DEPUTADOS DA OPOSIÇÃO DEBATEM PROBLEMAS NA SAÚDE DO ESTADO DE PERNAMBUCO

Suspensão de cirurgias eletivas, demissão de médicos e fechamento de leitos em hospitais. Essas são algumas das dificuldades na saúde pública esta

Deputado Lessa solicita proteção a profissionais da linha de frente contra o coronavírus
Rio Formoso marca presença em Conferência Municipal de Saúde
João Campos anuncia vacinação para trabalhadores da saúde de todos os hospitais do Recife
17/03/2014. Credito: Anderson Souza/Divulgacao. Hospital Getulio Vargas (HGV) -  Problemas enfrentados na emergencia no Hospital Getulio Vargas.

Crédito: Anderson Souza/Divulgacao. Hospital Getulio Vargas (HGV) – Problemas enfrentados na emergência no Hospital Getúlio Vargas.

Suspensão de cirurgias eletivas, demissão de médicos e fechamento de leitos em hospitais. Essas são algumas das dificuldades na saúde pública estadual, elencadas em relatório produzido pelo Conselho Regional de Medicina (Cremepe) e pelo Sindicato dos Médicos de Pernambuco (Simepe). Os dados foram divulgados, na última segunda-feira (15), pelo líder da Oposição, deputado Sílvio Costa Filho (PTB), em discurso no Grande Expediente. Na sequência, o líder do Governo, deputado Waldemar Borges (PSB), respondeu apontando o subfinanciamento do Sistema Único de Saúde (SUS) como o principal motivo dos problemas enfrentados pelo Estado.

De acordo com o levantamento do Cremepe-Simepe, somente neste ano, 60% das cirurgias eletivas foram suspensas por falta de material cirúrgico e antibióticos. Também houve demissões de médicos nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) da Imbiribeira, do Cabo de Santo Agostinho e de Sotave (Jaboatão dos Guararapes), com previsão de novos desligamentos na UPA de Torrões. “As UPAs Especialidades de Carpina e do Arruda estão paralisadas”, acrescentou Costa Filho. “Há muito tempo, os médicos não passavam por tanta dificuldade, cobrindo plantões para além do limite da carga horária de trabalho.”

Outros dados dão conta do fechamento de duas das três UTIs do Hospital Getúlio Vargas, da UTI coronariana do Hospital Agamenon Magalhães e da UTI pediátrica do Hospital Maria Lucinda. No Hospital Miguel Arraes, foram encerrados nove leitos de UTIs, 30 leitos de ortopedia e a enfermaria de cirurgia-geral, e ainda houve redução no plantão de radiologistas pela metade. Já o Hospital Barão de Lucena perdeu 15 dos 60 leitos de clínica médica, outros cinco de clínica cirúrgica, dez de UTI (metade do total) e oito dos 12 de pediatria.

O petebista também citou o caso do Instituto Materno Infantil Professor Fernando Figueira (Imip), no qual, de acordo com ele, teriam sido fechados o Serviço de Reprodução Humana e o espaço conhecido como “bloquinho”, além de estar com a escala de emergência pediátrica desfalcada em mais de 50% e os anestesistas sem receber há cerca de cinco meses. “Não viemos fazer proselitismo nem demagogia. Queremos que o Governo apresente à Casa a realidade da saúde pública do Estado para pensarmos juntos em soluções”, completou Costa Filho.

Nos apartes, o líder da Oposição recebeu apoio de integrantes da bancada. “A estrutura dessas instituições permite ter esses dados com muita precisão e seriedade. Esse relatório merece toda a nossa atenção”, pontuou Teresa Leitão (PT). “Vemos, mais uma vez, a falta de prioridade do Governo Estadual, que gasta com empreiteiras, publicidade e comissionados, mas não faz o devido gerenciamento político da crise”, criticou Edilson Silva (PSOL). Odacy Amorim (PT) defendeu a ampliação da discussão da saúde pública. “É preciso haver um pacto entre Oposição e Governo”, disse.

Fonte: ALEPE

COMMENTS