Coluna Radar Mata Norte (06/07) – Prefeito de Paudalho transforma luta dos professores por seus direitos em rinha política

Coluna Radar Mata Norte (06/07) – Prefeito de Paudalho transforma luta dos professores por seus direitos em rinha política

Consagrado nas últimas eleições, com uma votação histórica. O prefeito do município de Paudalho, Marcelo Gouveia (PSD), ao assumir a prefeitura em jan

Câmara dos Vereadores em Paudalho aprova contas da gestão de Marcelo Gouveia ano 2018
Agosto Lilás: Prefeitura do Paudalho realiza programação contra o feminicídio
Gustavo Gouveia prestigia Carnaval na Mata Norte

Marcelo Gouveia PAUDALHOConsagrado nas últimas eleições, com uma votação histórica. O prefeito do município de Paudalho, Marcelo Gouveia (PSD), ao assumir a prefeitura em janeiro, vem adotando um modelo de gestão totalmente diferente daquilo que foi pregado por ele no período eleitoral.

Filho de uma família tradicional na política de Paudalho, Marcelo, foi a grande aposta da sua família, que tem como maior líder o seu pai Eufrásio Campos Gouveia filho (PSDB), político que exerceu o mandato de prefeito no início da década de 90.

Marcelo assumiu a gestão municipal com o desafio de fazer um governo “moderno e inovador” com a promessa de realizar a industrialização do Município, levando isto como carro chefe do seu discurso. Além disso, realizou promessas no sentido de realizar investimentos significativos nas áreas de educação e saúde.

Ao longo de quase oito meses de gestão, o prefeito Marcelo Gouveia não tem conseguido dar respostas às demandas mais importante do município embora venha se movimentado muito nos bastidores políticos, transitado bem em Brasília e assumido a presidência do COMANAS na região. Neste curto período o prefeito já deu ordem de serviços para algumas obras, a exemplo da construção de uma escola e a conclusão de uma creche na comunidade de Guardalajara, abriu o centro de diagnóstico, comprou três ambulâncias e tem mantido o pagamento dos servidores em dias, mesmo assim, diante do tamanho das expectativas geradas, a gestão não tem sido capaz de imprimir uma nova agenda que dê sinais de um governo “inovador e moderno”.

O tratamento de algumas questões no âmbito administrativo tem revelado um gestor jovem, com uma cabeça velha e tem levado a gestão a níveis de desgastes com os professores da rede municipal de ensino, onde recentemente a categoria deflagrou uma greve por tempo indeterminado.

Os professores, vem desde o início da gestão, tentando negociar através do SINPRO com o prefeito a pauta de reivindicações que são seus direitos garantidos por lei, a exemplo da atualização da tabela do PCC. O prefeito também não reajustou o piso salarial, que seria de 7.64%, oferecendo apenas 2%, e ainda mais, cortou o difícil acesso dos docentes em 10 escolas municipais alegando que o professor para receber tal benefício, teria que andar 2km. Também,  segundo o SINPRO, o prefeito quer tirar o abono permanência, sob a alegação que isso não é lei.

Com o argumento de quê algumas medidas tomadas pela sua gestão é cortar gastos desnecessários para economizar e fazer investimentos, o aumento dado à seus cargos comissionados contradiz um pouco seu discurso, considerando, que a maioria tiveram aumento de quase 100%.

Vale destacar que a reação da gestão municipal, diante da greve deflagrada pelos professores, não tem sido muito tolerante, revelando uma prática um tanto repressora, onde, após a decretação da greve os líderes do movimento tiveram seus contracheques expostos nas redes sociais, atitude que tinha por objetivo constranger e desqualificar um movimento que é legítimo.

Mesmo tendo formação acadêmica, o prefeito que é engenheiro civil parece não compreender a importância que a educação como instrumento de transformação de uma sociedade. Como bem definiu Paulo Freire: “Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda”.

Não se pode “partidarizar” políticas públicas que são fundamentais para a evolução e desenvolvimento da população. Fazer “rinha política” com um tema tão importante não é ser inovador e muito menos agrega valor algum.

Educação deve e tem que ser prioridade em qualquer governo. Na Mata Norte não existe um município que esteja enfrentando uma greve dos professores da rede municipal de ensino. Embora a grave crise que resulta na queda de receitas esteja tirando o sono de muitos gestores, vale lembrar que os Municípios da Região estão cumprindo com o pagamento do piso dos professores e nesse universo Paudalho tem se tornado uma ilha, indo na contramão de cumprir algo que é garantido por lei.

Drailton Costa

Por Drailton Costa – Articulador político e colunista semanal do Blog Ponto de Vista

COMMENTS