Deficientes físicos reclamam de constrangimento causado pela Prefeitura de Olinda

Deficientes físicos reclamam de constrangimento causado pela Prefeitura de Olinda

O que deveria ser um fórum para desenvolver a discursão de políticas públicas voltadas à Assistência Social, se tornou um espaço de falta de respe

No Paulista, Padilha debate políticas públicas de inclusão para deficientes
Wanderson Florêncio solicita inclusão de pessoas comdeficiência e doenças raras no grupo prioritário que receberá vacina doCovid-19
Anderson Ferreira anuncia vacinação de pessoas com deficiência contra Covid-19 no Jaboatão

O que deveria ser um fórum para desenvolver a discursão de políticas públicas voltadas à Assistência Social, se tornou um espaço de falta de respeito e sensibilidade do Poder Público Municipal de Olinda.

O deficiente físico Geziel Bezerra, militante dos direitos humanos, teve dificuldade para participar da segunda etapa da pré-conferência da Assistência Social, tudo porque o local escolhido para a realização do encontro foi o primeiro andar da Escola Municipal Monsenhor Fabrício, no bairro de Peixinhos. Ambiente sem acesso por rampa ou elevador.

De acordo com Geziel, a secretária executiva de Assistência Social, Mônica Ribeiro, alegou que Olinda não tem local com acessibilidade  para realizar o evento. “Isso é mentira porque temos várias escolas no município para realizar esse evento, inclusive o CAIC de Peixinhos”, disse Geziel.

Garantir a acessibilidade aos prédios públicos municipais de pessoas com deficiência física, visual e auditiva, bem como com a mobilidade reduzida, é uma obrigação do Poder Público Municipal. Com a resposta, o prefeito Lupércio.

CONFIRA O VÍDEO QUE COMPROVA FALTA DE RESPEITO:

COMMENTS