Delegada Gleide Ângelo apresenta PL para Mulher Empreendedora

Saiba mais informações clicando no link

Reunião Solene celebra 75 anos da Associação dos Fornecedores de Cana de Pernambuco
José Humberto registra aniversário de Ipojuca e comenta sobre novas eleições
Alberto Feitosa apresenta projetos para prevenção da violência nos municípios do estado
A deputada Delegada Gleide Ângelo apresentou o projeto de lei N° 2320, que define a criação da Política Estadual da Mulher Empreendedora. A medida pretende promover e facilitar o acesso ao crédito empreendedor às pernambucanas, a fim de estimular a abertura de novos negócios chefiados por mulheres, seja pela criação de moldes para o incentivo a investidores conhecerem ideias desenvolvidas por elas, seja com a oferta de auxílio às empreendedoras no processo de formação de novos negócios.
Além disso, a proposta também prevê a reserva de 10% das vagas e dos recursos oferecidos nos programas de concessão de linhas de crédito do estado para as mulheres microempreendedoras individuais (MEI), integrantes de associações e cooperativas e gestoras de micro e pequenas empresas. “Estamos passando por uma crise sem precedentes, por isso, precisamos promover o desenvolvimento da economia. Temos de oferecer meios para que mais mulheres recuperem os espaços perdidos no mercado. Afinal, elas foram as principais prejudicadas com o atual cenário”, explica.
A deputada se refere aos dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED). Um levantamento do órgão apontou que, em Pernambuco, 99,5% das vagas de emprego com carteira assinada extintos em todo o ano de 2020, eram ocupados por mulheres. O percentual alarmante evidencia mais uma situação de vulnerabilidade à qual as mulheres estão expostas. Além disso, o período de isolamento social acentuou a desigualdade de gênero, já que, o acréscimo da  concentração de famílias em casa, também aumentou a sobrecarga em atividades domésticas e cuidado com os filhos – afazeres tradicionalmente delegados às mulheres da família.
Juntos, estes dois fatores trazem como consequência a menor participação das mulheres no mercado de trabalho dos últimos 30 anos. “Essa desigualdade já era realidade. A mulher era mãe, dona de casa, profissional e tinha que dar conta de todas as atividades. Mas, com a pandemia, a situação da maioria ficou impraticável. Como manter o emprego, em meio ao isolamento social com as crianças integralmente em casa, sem rede de apoio? Por isso, muitas mulheres estão cada vez mais envolvidas no desenvolvimento do próprio negócio. É uma questão de sobrevivência”, ressalta a parlamentar.
Ademais, a Política Estadual da Mulher Empreendedora é uma potente ferramenta para a restauração de uma histórica desigualdade de gênero, uma vez que é sabido das dificuldades já enfrentadas pelas mulheres que se inserem no mercado de trabalho. Os resultados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad, do IBGE), anteriores à pandemia, já apontavam que as brasileiras recebiam salários cerca de 22% menores que os dos homens, e, quando desempregadas, cerca de 37% delas estavam há pelo menos um ano a procura de um emprego – enquanto que a mesma taxa cai para 27% entre os homens.
“Estamos falando de uma política de reparação histórica de oportunidades negadas a mulher e que vai atender a diferentes gerações: tanto aquelas mais velhas, que dificilmente conseguiriam um emprego com carteira assinada, mas que podem investir em produtos caseiros e artesanais, até as mais jovens e mais preparadas que muitos homens, mas que perdem oportunidades devido ao machismo estrutural”, conclui a Delegada

COMMENTS