Deputado Cleiton Collins realiza visita na Associação dos Militares da Reserva Remunerada

O parlamentar esteve com o presidente da entidade e foi convidado para um café da manhã e conhecer todas as dependências da Associação.

Radar Político (03/01) – Geraldo Júlio chegando junto em 2020
IPOJUCA – Lideranças do PP reafirmam apoio à pré-candidatura de Albérico da Cobal
Depois de se reunir com ministros, pastor Cleiton Collins se unirá à comitiva de Bolsonaro para acompanhar grande evento

O parlamentar esteve com o presidente da entidade e foi convidado para um café da manhã e conhecer todas as dependências da Associação.

Fundado em 30 de julho de 1991 e preste a completar 30 anos de existência, a Associação dos Militares de Reserva Remunerada (ASMIR/PE), reformados e pensionistas das Forças Armadas, recebeu nesta sexta-feira (9), o deputado estadual Pastor Cleiton Collins (PP).

Para o deputado, a ASMIR é muito importante, pois “ativa, resgata a memória e fomenta a família na unidade, no sentimento dos que já serviram e dos que estão servindo”.

De acordo com Collins, também haverá uma homenagem da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) à ASMIR-PE, para saudar aos 30 anos de história da Associação.

Para o presidente da ASMIR-PE, Jorge Cantos, foi de extrema importância a presença do deputado Pastor Cleiton Collins pela afinidade com trabalhos sociais e as interações com as entidades.

História

Associação dos Militares da Reserva Remunerada, Reformados e Pensionistas das Forças Armadas, foi fundada por 85 militares da reserva da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, em 30 de julho de 1991, na Biblioteca Pública do Estado de Pernambuco. Sua sede está localizada na Rua do Sossego, 350 no bairro da Boa Vista.

É uma entidade civil, de direito privado, sem fins lucrativos, tendo como finalidade pleitear junto às autoridades competentes o reconhecimento de seus direitos.

Procura também desenvolver a cultura, saúde, educação, justiça e o lazer de seus associados. O seu primeiro presidente foi o Coronel Raimundo Rodrigues de Oliveira.

COMMENTS