Doação de sangue e medula óssea são temas de novo Projeto de Lei de Joaquim Lira

Saiba mais informações clicando no link

Pessoas com TEA, com deficiência intelectual e crianças com menos de 03 anos isentas de uso de máscara
Clodoaldo Magalhães é reeleito para a 1ª Secretaria da ALEPE
Deputado Delegado Lessa é titular na Comissão de Administração Pública


Buscando incentivar a doação de sangue e medula óssea no estado de Pernambuco, que são elementos essenciais à manutenção da saúde em diversas situações, como cirurgias e tratamento de doenças graves, o deputado estadual Joaquim Lira apresentou na Assembleia Legislativa do Estado um projeto de lei para que doadores regulares de sangue e medula óssea no óssea sejam incluídos no grupo de risco ou grupo prioritário, para receberem gratuitamente vacinas oferecidas no Estado.

O PLO 1386/2020 esclarece como sendo doador regular aquele que doa sangue ao menos duas vezes ao ano, sem prejuízo de eventuais campanhas de que participe; e doador de medula, aquele que doa ao menos uma vez ao ano.

Segundo dados do Ministério da Saúde, em 2017, dezesseis a cada mil habitantes são doadores de sangue, no Brasil, correspondendo a 1,6% da população. Apesar de consistir em número dentro dos parâmetros estabelecidos pela Organização Mundial de Saúde, entre 1% e 3%, as medidas de incentivo são essenciais para não somente manter o percentual atual estável, mas, de preferência, aumentá-lo, a fim de possibilitar maior segurança no âmbito da saúde pública.

Deputado estadual Joaquim Lira (PSD)

Fazendo-se remissão à medula óssea, conforme firmou o Instituto Nacional de Câncer – Inca, somente 25% das famílias brasileiras apresentam o doador ideal (irmão compatível). Para 75% dos pacientes que precisam da doação, é necessário identificar um doador alternativo. No Brasil, conforme ficou amplamente documentado na mídia, pouco mais de 280 mil novas pessoas se dispuseram a doar medula em 2017, o pior número dos últimos três anos. De 2015 até 2018, nesse sentido, houve queda abrupta do percentual de doadores. Pernambuco, contudo, destacou-se do cenário nacional. Em 2013, 3.811 pessoas demonstravam disponibilidade para doar medula óssea, em caso de compatibilidade. Já no ano de 2017, o total de registros passou para 10.413 possíveis doadores. É preciso, portanto, manter essa rede de solidariedade, incentivando a proteção daqueles que agem com consciência de coletividade e são empáticos para com a causa pública.

Veja o projeto na íntegra no site da Alepe: http://www.alepe.pe.gov.br/proposicao-texto-completo/?docid=6265&tipoprop=p

COMMENTS