Em Belo Jardim, Túlio Gadêlha reúne grupo e debate sobre empreendimento eólico na região

Saiba mais informações clicando no link

Belo Jardim – Cecílio Galvão anuncia oposição ao prefeito Helio dos Terrenos
Em Belo Jardim, Armando participa do Congresso de vereadores na sexta (27)
Mendonça faz maior carreata da história política de Belo Jardim

Na tarde desta sexta-feira (25), o deputado federal Túlio Gadêlha (PDT) se reuniu com ambientalistas, trabalhadores da agricultura familiar, servidores públicos e professores universitários de Belo Jardim, no Agreste de Pernambuco, para tratar sobre os impactos da instalação de um parque eólico na região.

Para o deputado, é necessário que haja um amplo debate, com audiências públicas ouvindo especialistas e a sociedade civil, para discutir a instalação de uma usina eólica em pleno Agreste pernambucano. “Há graves denúncias de que empresas de energia eólica têm passado pela região prometendo vantagens aos proprietários de terras em troca da assinatura de um contrato de arrendamento para utilização do espaço nesse empreendimento. Estamos aqui para ouvir a população e apurarmos de perto esta situação”, comentou Gadêlha.

Segundo moradores da região, contratos abusivos estão sendo firmados com pequenos agricultores e proprietários de terras. Cláusulas de confidencialidade, a impossibilidade de rescisão, as limitações do acesso à propriedade, a utilização do terreno para passar estrada e linha de transmissão são algumas das críticas apontadas pelo grupo.

“Somos favoráveis à transição para energia limpa, mas precisamos estar atentos aos impactos dos grandes empreendimentos. Torres instaladas próximas a perímetros urbanos podem causar prejuízo à saúde, segundo relatório do Observatório da Energia Eólica (rede de pesquisadores de universidades públicas de cinco Estados brasileiros). O ruído emitido é semelhante ao de um helicóptero, por exemplo. Mas, neste caso, um que nunca pousa e funciona 24h por dia. Há estudos que comprovam o aumento de casos de ansiedade, insônia e até depressão. Humanos e animais podem ser afetados. O prejuízo é social e econômico”, finaliza com preocupação o deputado federal.

O grupo ainda relata que no município existem mananciais aquíferos que abastecem toda região e que o território é rico em brejos de altitude que podem estar ameaçados com a construção do empreendimento. “É importante ter clareza sobre esse misterioso projeto e saber: o que o Governo de Pernambuco tem feito para preservação da biodiversidade local?”, completou Gadêlha.

Participaram da reunião o professor Marconi, representando o CODEMA e o IFPE da cidade; Adilza moradora de Belo Jardim, representando o diretório do PT local; Beth do Conselho de Desenvolvimento Sustentável de Brejo da Madre de Deus; Cali, atual Secretário de Turismo de Brejo da Madre de Deus; Auribete, Assessora do SINTRAF/ Regional do Agreste Meridional, Dr. Fábio Galvão, ex-prefeito de Belo Jardim; Eduardo Elias, da AMICRO de Brejo; Professor Luciano, presidente do Conselho da Bacia de Biturí e Professor da Autarquia Educacional de Belo Jardim; Morgana, presidente do CODEMA, Alessandro, também pelo CODEMA; Dário, de Brejo da Madre de Deus; e  Alessandro e Luciano, de Belo Jardim.

COMMENTS