Eriberto Medeiros cobra solução para veículos amontoados em delegacias e batalhões de polícia em Pernambuco

Saiba mais informações clicando no link

Projeto de Lei prevê proibição de propaganda de bebidas alcoólicas nas margens de estradas
De autoria das JUNTAS, projeto do Despejo Zero na pandemia passa na Comissão de Constituição, Legislação e Justiça da Alepe
Parlamentares registram ações em prol dos atingidos pela enchente e cobram liberação de verbas

O presidente da Assembleia Legislativa de Pernambuco, deputado Eriberto Medeiros (PP), cobrou uma solução para o acúmulo de veículos parados no entorno de delegacias e batalhões de polícia em Pernambuco. O parlamentar usou as redes sociais, nesta quarta-feira (28/07), para questionar a situação, constatada em visitas que fez a esses locais no interior do Estado. Ele afirmou, ainda, que irá procurar articular com a Justiça uma resolução para o caso.

De acordo com o posicionamento do deputado, o acúmulo de carros e motos no entorno desses espaços, sofrendo a ação do tempo, pode acarretar doenças, animais nocivos à comunidade local, além da própria insalubridade dos carros abandonados, que prejudica os prédios públicos.

Eriberto visitou as delegacias e batalhões da PMPE nos municípios de Belo Jardim, Salgueiro, Limoeiro, Serra Talhada, Ouricuri, Garanhuns e Nazaré da Mata, dentre outros. “Recursos públicos parados geram desperdício e transtorno ao Estado. Precisamos solucionar esse quadro, para que a nossa segurança pública possa avançar em melhores condições”, alegou o presidente, que tem tido uma atuação firme ao lado das instituições e órgãos da segurança pública, trabalhando para fortalecer os índices de combate à criminalidade.

Eriberto defende uma ação conjunta do Estado com as autoridades competentes para destinar esses carros e motos. “Existem veículos que precisam ser restituídos aos seus respectivos donos, em caso de recuperação de veículos roubados. Deve-se, também, ceder os carros apreendidos definitivamente para órgãos e projetos que necessitem fazer o seu uso. Ou até mesmo leiloar para estabelecimentos que trabalham com sucata, evitando, assim, o acúmulo indevido. Vamos buscar uma saída com a Justiça, para que possamos mudar isso”, argumentou o parlamentar.

COMMENTS