Governo proíbe eventos sociais e corporativos a partir de segunda-feira (25/01)

Saiba mais informações clicando no link

Deputada Roberta Arraes recebe secretário André Longo para anunciar novos investimentos no sertão
Na Alepe, secretário de Saúde presta contas do segundo quadrimestre do ano
Governo de Pernambuco autoriza início do processo de retorno das aulas presenciais

O Governo de Pernambuco anunciou proibição de eventos sociais e corporativos no Estado a partir do próximo dia 25/01. As informações foram repassadas em coletiva na tarde desta quarta-feira (20), pelo secretário de Turismo de Pernambuco, Rodrigo Novaes, ao lado do titular da Saúde, André Longo. O prazo da proibição é de 30 dias. Até então, estavam autorizados com capacidade de até 150 pessoas.

A decisão se deu devido ao aumento no número de casos de COVID 19 no Estado.

“Os eventos sociais e corporativos que podiam ser realizados, até então, com a capacidade máxima de 150 pessoas, estão suspensos”, reforçou o secretário de Turismo e Lazer de Pernambuco, Rodrigo Novaes, que aproveitou para falar sobre as ações de fiscalização nas praias, realizadas no ultimo final de semana. “É preciso que nós continuemos avançando, cumprindo os protocolos, tanto os comerciantes quanto os cidadãos e banhistas, que procuram a praia como opção de lazer. Neste final de semana, continuaremos com a campanha de conscientização, para que possamos manter esse ambiente de lazer aberto”, afirmou.
 
Por sua vez, o secretário estadual de Saúde, André Longo, ressaltou que o abandono da máscara tornou-se preocupante nos parques públicos. “Caso não haja uma melhora no comportamento social nesses espaços de convivência e as prefeituras não sejam mais rigorosas na fiscalização, iremos avaliar o fechamento dos parque em todo Estado”, advertiu. Longo ressaltou, ainda, que mesmo com o inicio da vacinação no Estado é necessário manter os cuidados com as normas sanitárias.
 
“Reconhecemos a importância da imunização, mas precisamos ter em mente que nos primeiros meses não teremos vacinas suficientes para imunizar a maioria da população, sendo necessária a continuação dos cuidados sanitários. Mesmo os que receberem a vacina não poderão abdicar dos protocolos, seja porque o organismo precisa de um tempo para maturar a proteção e, mesmo depois da segunda dose, é preciso esperar que boa parte da população já tenha sido imunizada para que tenhamos uma proteção coletiva”, explicou o secretário.

COMMENTS