Hospital Alfa: Romero Sales Filho sugere que unidade se torne referência em cirurgias eletivas e no tratamento da Covid-19

Saiba mais informações clicando no link

Lei proposta pelo deputado Clodoaldo Magalhães proíbe formação somente por EAD para cursos da área de saúde
Por indicação de Antônio Moraes, Alepe aprova voto de aplauso ao desembargador Erick Simões do TJPE
Wanderson Florêncio é reeleito por unanimidade presidente da Comissão de Meio Ambiente e Sustentabilidade da Alepe

Foto: Pedro Batista/ Divulgação

Apontando uma série de problemas enfrentados por quem depende da saúde pública, o deputado estadual Romero Sales Filho (PTB), apresentou um diagnóstico da situação dos principais hospitais do Estado. Durante o pronunciamento no plenário da Assembleia Legislativa de Pernambuco, nesta quarta-feira (10), o parlamentar elencou as dificuldades encontradas durante várias visitas e fiscalizações que realizou. Entre elas estão a má condição estrutural, que ocasionou o desabamento de teto, rachaduras, infiltração nas paredes e mofo. Além disso, é possível evidenciar a negligência da gestão com macas espalhadas pelos corredores, superlotação, falta de insumos básicos e demora na realização de cirurgias.

Com base nas informações constatadas, o parlamentar sugeriu ao Governo do Estado a continuidade das atividades do Hospital Alfa, que estava desativado desde 2018 e foi reaberto durante a pandemia. “Precisamos que esse hospital se torne referência não só para pacientes vítimas da covid-19, mas também para realização de cirurgias neurológicas, urológicas, vasculares, entre outros, desafogando os hospitais” afirmou o deputado. Para Sales Filho, tornar o atendimento permanente é dever do Governo do Estado com a população, que contará com um equipamento que efetivamente funciona e que tem capacidade instalada para prestar um serviço de qualidade, acabando com a peregrinação e humilhação dos pacientes que passam muito tempo esperando por uma transferência.

Um outro problema destacado pelo parlamentar foi a falta de gestão da central de leitos, que não consegue dialogar em tempo real com os hospitais, o que acaba causando superlotação. “Você chega às unidades e tem pacientes do interior do Estado ocupando um leito, quando o atendimento poderia ser realizado em uma unidade básica de saúde no município de origem. É hora de acabar com o sofrimento, o constrangimento e com o atendimento de péssima qualidade. Isso só será resolvido com a implantação de uma central de regulação nos principais hospitais, para dar mais eficiência ao sistema de saúde, com a atualização de leitos em tempo real, estoque, entre outras informações. Infelizmente, hoje temos uma gestão ineficiente. Faço um apelo para que o governo do Estado atenda ao nosso pedido”, finalizou.

COMMENTS