Intervenção em Goiana pode não prosperar

STF entende como inconstitucional artigo da Constituição Pernambucana que prevê a possibilidade do Estado intervir no município quando “ocorrer prática de atos de corrupção e improbidade nos Municípios”.

Belarmino Souza assume mandato de vereador em Jaboatão
Projeto irá distribuir 1.400 Kits de Irrigação para pequenos agricultores
Vereador Belarmino Souza obtém expressiva vitória no TSE


Em sessão virtual realizada de 20 a 26 de março deste ano, o STF, por unanimidade, julgou procedente a ADI 2917, proposta pela Procuradoria Geral da República, para declarar a inconstitucionalidade do art. 91, inciso V, da Constituição do Estado de Pernambuco, que prevê a possibilidade do Estado intervir no município quando “ocorrer prática de atos de corrupção e improbidade nos Municípios”.

Acolhendo a tese da PGR, os ministros do STF entenderam que o referido dispositivo é incompatível com o artigo 35 da Constituição Federal, pois ali o legislador Constituinte foi claro quanto ao rol taxativo, das hipóteses em que o Estado pode intervir nos municípios. No nosso sentir, acertadamente, entendeu a Corte que o Constituinte Estadual inovou ao criar hipótese de intervenção não prevista em nossa Carta Magna

Portanto, acertou o STF na medida em que preserva o Pacto Federativo, princípio fundamental da República Federativa do Brasil(art. 1º da CF).

Entendemos que a decisão pode interferir diretamente em um caso que está movimentando o mundo político/jurídico pernambucano nesses últimos dias. Em que pese a limitação de informações disponíveis sobre caso, visto que tramita sob segredo de justiça, resta latente que o Procurador Geral de Justiça do Estado, ao requerer a intervenção no Município de Pernambuco utilizou como fundamente justamente o malsinado artigo 91, inciso V, da Constituição do Estado de Pernambuco. A conferir.

Raphael Parente Oliveira
Advogado militante nas áreas do Direito Administrativo e Eleitoral
Emílio Duarte
Advogado Eleitoral
Membro da CEDE CFOAB

COMMENTS