Joaquim Lapa responsabiliza radialista falecido por não prestar contas de convênio com a Fundarpe; ex-prefeito terá que pagar mais de R$ 4 milhões

Saiba mais informações clicando no link

Petrolina e Carpina abrem primeiro dia de campanha de Fernando Monteiro
Diogo Prado tem mandato cassado pelo TRE-PE
Joel da Harpa leva gabinete móvel para Zona da Mata e Agreste

O ex-prefeito de Carpina, Joaquim Lapa teve suas contas rejeitadas no Tribunal de Contas, no dia 15 de setembro, por falta de prestação de contas com a Fundarpe. Na ocasião, ele incriminou o falecido ex-secretário e radialista Jota Cândido, “iniciada em 1997, foi expedido Decreto responsabilizando os Secretários pelos envios de prestação de contas. O Secretário de Turismo era o Vereador e Radialista José Cândido de Amorim (conhecido como J. Cândido)”. Ele ainda tentou usar o lapso temporal que foi rejeitado pela primeira câmara do Tribunal de Contas do Estado.

Na decisão, a corte de contas destaca a falta de prestação de contas de um convênio no ano de 1998, durante o Governo de Joaquim Lapa. “Diante da não resolução da pendência, a comissão de Tomada de Contas Especial da FUNDARPE concluiu em 31/05/2013 que faltaram os comprovantes de despesas referentes ao valor total de R$ 90.000,00 repassados para a Prefeitura”, como consta no processo.

Ainda no processo do TCE, foram feitos a atualizações dos valores referente a esse convênio, “Neste caso o valor original de R$ 90.000,00, passíveis de devolução ao Erário, atualizados até o dia 30/09/2018, com os devidos acréscimos de juros, totalizaram R$ 4.789.461,86 (quatro milhões, setecentos e oitenta e nove mil, quatrocentos e sessenta e um reais e oitenta e seis centavos), segundo a memória de cálculo, fls. 267 e 268”.

TEMPOS DEPOIS – Hoje, a filha do ex-secretário Jota Cândido é candidata a vereadora no palanque do ex-prefeito que jogou a bomba nas costas do falecido.

COMMENTS