Joel da Harpa parabeniza escolas que continuam mantendo engajamento dos alunos no estudo mesmo a distância

Saiba mais informações clicando no link

Prefeitura do Jaboatão convoca 375 professores concursados
Danilo Cabral defende garantia de transporte para estudantes universitários
Eduardo da Fonte propõe garantia de salário integral para professores e a suspensão de mensalidades para alunos

Frente às mudanças na educação impostas pelas medidas em combate à disseminação do Coronavírus, muitos escolas estão fazendo várias ações para manter seus alunos engajados no estudo mesmo estando longe das salas de aula. Sendo assim, o Deputado Joel da Harpa está preocupado sobre a aplicabilidade do projeto que prevê a redução dos valores das mensalidades durante a pandemia. Apesar das aulas não serem presenciais, as escolas estão investindo alto em tecnologia para que os estudantes não sejam prejudicados.

Para Joel, um bom exemplo é a Academia Cristã de Boa Viagem (ACBV). Tão logo a diretora Executiva Cristiane Assis Santos soube a instituição iria fechar, três dias antes, eles mandaram um kit para cada aluno, com tudo o que eles iriam precisar para realizar as atividades. Fechadas desde o dia 18 de março, ACBV tem usando a internet para manter a rotina de seus 680 alunos da educação infantil ao ensino médio, ainda que cada um deles esteja em suas casas.

Segundo a Cristiane nos explicou, algumas instituições são sem fins lucrativos, como a ACBV, e portanto não trabalham com margem de lucro que possibilite o funcionamento com um desconto linear proposto. Essas escolas já ajudam demais o estado pois oferecem bolsas integrais para alunos de baixa-renda o que desafoga o sistema público de educação e isso deve ser levado em consideração.

Os deputados não podem prejudicar tanto quem tanto ajuda o estado. As escolas sem fins lucrativos não podem fazer uso do empréstimo do governo para pagamento da folha. Portanto, provavelmente, terão que fechar as portas. Se essa lei passar, as escolas que não fizeram nada terão uma vantagem sobre as que se desdobraram e isso, é completamente injusto.

A sugestão é que o desconto, caso aprovado, seja feito com base em critérios para evitar aproveitadores e proteger as escolas. Que apenas os pais que comprovarem redução de renda, e apenas aqueles que têm histórico de serem adimplentes com a escola e que já não gozem de descontos tenham acesso a esse taxa especial. A maioria das escolas têm políticas de descontos e em um caso assim poderia impossibilitar o andamento da instituição.

COMMENTS