Justiça determina que deputada e o seu partido o PSOL retirem postagens caluniosas em até 48h

Saiba mais informações clicando no link

Alberto Feitosa pede delegacia para conflitos agrários e ressalta construção de casas pelo Governo Federal
Alberto Feitosa apresenta Projeto de Lei que visa proteger mulheres de violência doméstica em Pernambuco
Comissão de Justiça aprova PEC que fixa percentual de emendas

Deputado estadual Alberto Feitosa

Nesta terça-feira (20) o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) acatou o pedido de liminar do deputado estadual Alberto Feitosa, na ação penal privada (queixa-crime) decorrente das ofensas morais e das acusações caluniosas e difamatórias que sofreu da Deputada das Juntas, do partido de esquerda o PSOL.

O Tribunal de Justiça de Pernambuco, por meio do Exmo. Sr. Desembargador Jovaldo Nunes, determinou um prazo de 48h para a remoção e/ou bloqueio integral dos perfis das Juntas/PSOL e de sua representante na Alepe, de todo conteúdo ofensivo que fale a respeito do deputado Alberto Feitosa, sob pena de multa diária de R$ 3 mil reais.

No dia 21 de junho, Alberto Feitosa foi alvo de diversas ameaças e ofensas por vários integrantes de movimentos sociais, ligados ao PSOL, em especial, do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) na porta da Alepe, onde com gritarias diziam invadir a sua residência, colocando em risco à sua vida e se sua família, após o parlamentar ter feito um pedido de vista em um projeto da deputada Jô Cavalcanti.

Como se não bastasse, foi feita uma campanha nas redes sociais da deputada e do movimento Juntas do PSOL para caluniar, difamar e injuriar o parlamentar, criando uma campanha de ataque com o objetivo de denegrir a imagem de cidadão e homem público.

“Eu sempre confiei com serenidade na justiça, porque a verdade sempre irá prevalecer. E para aqueles que tentaram diante ataques manchar o meu trabalho com mentirosas acusações e calúnias, a decisão da justiça foi para colocar um fim a campanha de ódio”, pontuou Feitosa.

COMMENTS