RADAR POLÍTICO (22/01) – Legislação eleitoral tira o sono de alguns deputados

Saiba mais informações sobre os bastidores da política pernambucana clicando no link

RADAR POLÍTICO (06/05) – Quem entre Anderson Ferreira, Raquel Lyra e Miguel estaria disposto a ir para o sacrifício?
Sob o comando de Ricardo Teobaldo o Podemos tem grandes chances de crescer no estado
Marcantônio Filho apresenta demandas a secretário de Desenvolvimento Agrário


Estreada nas eleições de 2020, a regra eleitoral que impediu a formação de coligações entre partidos na disputa proporcional não tem sido vista com bons olhos por muitos que pretendem concorrer nas eleições de 2022.  A nova regra exigirá que os partidos consigam formar chapas que garantam sozinhos o quociente eleitoral para conquistar cadeiras no legislativo estadual e federal, mecanismo que era facilitado com a formação de coligações partidárias.

Caso seja mantido o atual modelo vários deputados serão forçados a se concentrar em um número menor de siglas para concorrer. Para se ter ideia do problema, na eleição de 2018 os 25 deputados federais eleitos em Pernambuco foram distribuídos em 17 partidos diferentes, dos quais apenas 9 dessas siglas conseguiram unitariamente alcançar o quociente eleitoral.  Na disputa por vaga na Assembleia Legislativa os 49 eleitos foram distribuídos por 17 siglas onde apenas 13 delas alcançaram o quociente eleitoral.

Para alguns deputados que detêm o controle de partido o modelo atual exigirá um esforço hercúleo para montar chapas. Atrair candidatos dispostos a servir de calda nestas condições não será uma tarefa fácil e nem barata. Uma energia que poderia ser economizada caso o antigo modelo de coligação retorne ou se a verdade eleitoral seja implantada.

Se na disputa para deputado estadual não é fácil construir uma chapa para conquistar 90 mil ou 95 mil votos, imagine para federal onde a quantia mínima para conquistar uma vaga ficar em torno dos 180 mil votos.

ALTERNATIVA – Candidato à presidência da Câmara Federal, o deputado Arthur Lira (PP-AL) se comprometeu com alguns parlamentares, caso eleito, colocar em pauta a discursão sobre a “Verdade Eleitoral”, sistema em que são eleitos os mais votados. A alternativa não tem a simpatia dos cardeais partidários, que perderiam poderes com a implementação deste modelo.

REFLETINDO – Depois do excelente resultado obtido por sua esposa Andreza Romero na eleição de vereadora no Recife, quando ficou como a 2ª mais votada com mais de 13 mil votos, o deputado estadual Romero Albuquerque tem sido estimulado por amigos a disputar uma vaga na Câmara Federal, entre eles o deputado estadual Guilherme Uchôa Júnior, também candidato a federal. Romero avalia a possibilidade.

BOM QUADRO – O ex-prefeito Antônio João Dourado deve integrar a equipe que auxiliará o deputado Claudiano Martins Filho na Secretaria de Desenvolvimento Agrário. Com larga experiência no serviço público, Dourado possui passagens pelas presidências da AMUPE, Porto de Suape, URB e DER, entre outras funções.

2022 – Indicada para ser a líder do PT na Câmara de Vereadores do Recife, a novata Liana Cirne é uma das apostas do partido para disputar uma cadeira na Assembleia Legislativa no próximo ano.

DISPUTACandidatas à presidência do Consórcio Público dos Municípios da Mata Sul, as prefeitas de Primavera, Dayse Juliana (PSB), e de Cortês, Fátima Borba (Republicanos) já caíram em campo na busca do voto. A eleição será no próximo dia 1º de fevereiro.

NA FRENTE – No total o COMSUL possui 17 prefeituras consorciadas. Na contas realizadas pelo Blog a candidata Dayse Juliana está com larga vantagem na disputa. Só nesta semana ela recebeu a confirmação de apoio de 13 prefeitos.

DE OLHO – Depois que a secretaria de Desenvolvimento Social foi oferecida ao PT na tentativa de evitar a saída do partido da Frente Popular, outros partidos da base já manifestam interesse no espaço.

Escrito por Wellington Ribeiro – E-mail: [email protected] – Telefone: (81) 99521-6544

COMMENTS