Lider do Governo no Senado recebe PRFs

Lider do Governo no Senado recebe PRFs

Os profissionais de segurança pública continuam na luta contra a reforma da previdência. Mesmo no feriadão, o presidente do Sindicato dos Policiais

Radar Político (21/06) – Geraldo Júlio e João Campos chamam a oposição para a briga
Leonardo Martins ao lado do Senador Fernando Bezerra Coelho mostra força política em Inajá
Pernambuco sem oposição no próximo ano – Por Marcelo Velez
Os profissionais de segurança pública continuam na luta contra a reforma da previdência. Mesmo no feriadão, o presidente do Sindicato dos Policiais Rodoviários Federais no Estado de Pernambuco ( SINPRF – PE), o PRF Edjailson Tavares, foi até Petrolina para uma reunião de urgência com o senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), líder do Governo no Senado.
Segundo Edjaílson,  o senador se mostrou sensível a causa policial. “Ele entende que todos devem dar sua contribuição mas que vai dialogar para o melhor possível”, conta o presidente do SINPRF- PE que também é coordenador da União dos Policiais do Brasil (UPB). Os diretores Edjailson e Marlon passam o resto do dia na Delegacia de Petrolina para conversar com o efetivo da região.
Em relação à luta contra a reforma da previdência, hoje, os policiais rodoviários federais não possuem idade mínima para se aposentar. Com a reforma, será instituída idade mínima 55 anos para os policiais, sem diferenciação entre gêneros, podendo variar caso aumente a expectativa de vida do brasileiro.
As polícias serão a única categoria profissional tratada de maneira desproporcional. Além disso, a preocupação da categoria é que a reforma também não prevê regras de transição para quem está atualmente próximo da aposentadoria.
Ao contrário dos demais trabalhadores, dos mais diversos ramos de atuação, os profissionais de segurança pública são privados de inúmeros direitos assegurados pela Constituição Federal. Policiais no Brasil não recebem hora extra, adicional noturno, periculosidade e insalubridade.
Não têm direito a greve para lutar por seus direitos, continuam a contribuir para o regime de previdência mesmo após terem se aposentado, até o final de suas vidas, e trabalham em regime de dedicação exclusiva

COMMENTS