Os perigos da Reforma da Previdência para os militares estaduais – por Joel da Harpa

Os perigos da Reforma da Previdência para os militares estaduais – por Joel da Harpa

Em mensagem enviada para o Blog Ponto de Vista, o deputado estadual Joel da Harpa (PP), principal representante dos Policiais e Bombeiros Militares na

Deputado Fabrizio Ferraz lamenta incêndio que atingiu Floresta e agradece colaboradores
Bombeiros em Fernando de Noronha aguardam pagamento das cotas de jornada extra
Policiais podem ficar fora da reforma da Previdência

Em mensagem enviada para o Blog Ponto de Vista, o deputado estadual Joel da Harpa (PP), principal representante dos Policiais e Bombeiros Militares na Assembleia Legislativa de Pernambuco, alerta para os prejuízos que a categoria pode ter com a Reforma Trabalhista.

Confira: 

 “É preocupante toda essa polêmica em torno da aposentadoria dos militares estaduais. Esquecem que, quando na Ativa, policiais e bombeiros trabalham diuturnamente em defesa da população e mesmo com todos os riscos inerentes a profissão, não possuem direito a adicional noturno. Estão disponíveis 24 horas por dia em dedicação exclusiva, não têm direito a repouso semanal remunerado; não têm direito ao adicional de periculosidade e hora extra; os militares não recolhem o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). 

Ao passarem para a reserva remunerada ou serem reformados, perdem de imediato diversos direitos, tais como a paridade e integralidade, restando, até o momento, apenas a promoção imediata. Segundo o desembargador alagoano Tutmés Airan, relator de um processo para a garantia desse direito aos PMs daquele estado, a lei é um prêmio para o militar que defende a sociedade. 

Proporcionalmente, em horas de serviço, os militares estaduais trabalham mais que qualquer outra categoria. Aumentar o tempo de serviço e a idade mínima provocaria um envelhecimento inevitável da tropa e resultaria na redução da capacidade operacional desses profissionais. Basta um breve pesquisa para constatar que poucos sãos os que se aposentam com plena saúde física ou mental. 

Definitivamente, não existem privilégios. Pagam muitas vezes com a própria vida o preço da escolha em ser um profissional de segurança. Recebem o mínimo por anos trabalhados.  Portanto, tratar a promoção imediata como a vilã da aposentadoria, é desprezar ainda mais toda a dedicação desses homens e mulheres e tentar tapar o sol com a peneira.”

Joel Da Harpa (PP)

Deputado estadual 

COMMENTS