Pastor Cleiton Collins reage a projeto que quer legalizar relação sexual entre pais e filhos

Pastor Cleiton Collins reage a projeto que quer legalizar relação sexual entre pais e filhos

Collins é conhecido como a principal voz em defensa da Família Cristã em Pernambuco

Oposição quebra acordo com o lançamento de candidato a presidente da ALEPE, diz parlamentar em reserva
Joel da Harpa representa a Alepe em cerimônia na FAB do Dia do Aviador
Plenário aprova projetos de Clodoaldo Magalhães que facilitam participação popular

Deputado Pastor Cleiton Collins (PP) – Foto: Breno Laprovitera/ALEPE

Conhecido no meio evangélico como a principal voz em defensa da Família Cristã em Pernambuco, o deputado Pastor Cleiton Collins(PP) usou a tribuna da ALEPE na tarde desta terça (20), para manifestar preocupação com o Projeto de Lei nº 3369/2015, do deputado federal Orlando Silva (PCdoB-SP), que institui o Estatuto das Famílias do Século XXI. De acordo com o progressista, “o projeto legaliza o incesto no Brasil”.

A proposição reconhece como famílias “todas as formas de união entre duas ou mais pessoas que para este fim se constituam e que se baseiem no amor, na socioafetividade, independentemente de consanguinidade, gênero, orientação sexual, nacionalidade, credo ou raça, incluindo seus filhos ou pessoas que assim sejam consideradas”, algo que é repudiado por Cleiton Collins que coordena a Frente Parlamentar em Defesa da Família, da Vida e Política sobre Drogas no Legislativo Estadual.

Collins destacou que a proposição está na pauta de votações para da quarta (21)da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados. “O que é isso? O filho pode casar com a mãe, a mãe pode casar com o filho, a filha pode casar com o pai, o pai com filho. E em seguida desse mesmo projeto virá também a lei da poligamia, onde uma pessoa pode casar com várias”, acredita.

“Aonde o comunista Orlando está querendo levar o País, meu Deus? À banalização da família? Parece que é brincadeira, mas é verdade. Temos que pedir a Deus para ter misericórdia de Orlando Silva. Tinha que fazer esse registro pois a revolta é muito grande”, prosseguiu Collins, que defendeu a expulsão do deputado federal do PCdoB.

COMMENTS