Política em Dia (13/07) – Polarização entre Petrolina e Recife para 2020

Política em Dia (13/07) – Polarização entre Petrolina e Recife para 2020

Saiba mais informações dos bastidores da política pernambucana clicando no link

Presidente da Câmara de Vereadores de Goiana se reúne com representantes de estabelecimentos bancários para debater medidas que evitem aglomerações nas filas
Carlinhos Viégas cria Comitê de Monitoramento ao Combate do Covid-19 em Goiana
Carlinhos Viégas (PSB) reafirma pré-candidatura a prefeito de Goiana

Com as articulações para as eleições de 2020 começando a tomar corpo neste segundo semestre, a política deve tomar nova dinâmica em todo o estado de Pernambuco. Isto porque as principais lideranças a tomar protagonismo neste momento são o governador Paulo Câmara (PSB) e o senador Fernando Bezerra Coelho (MDB). Cada um deles tem um prefeito de seu colete governando uma cidade importante do estado e cada um deles possui capital político suficiente para eleger muitos prefeitos.

Aproximando-se de 2020, há a chance de acontecer uma grande polarização entre Petrolina e Recife, cidades governadas por gestores bem avaliados e que exercem influência nos municípios circunvizinhos. De posse da liderança do Governo Federal no Senado, Fernando tem condições de balizar recursos para os municípios em que tenha interesse e turbinar as campanhas dos seus aliados. Por outro lado, Paulo possui a caneta do Governo Estadual e a liberação de muitos recursos também passam pela sua mão. É de senso comum que fazer oposição ao governo estadual é difícil, mas, ao contrário de 2016, quando o ex-senador Armando Monteiro (PTB) perdeu força com o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), Bezerra Coelho pode equilibrar o jogo e fazer gestores insatisfeitos com o tratamento dado pelo Palácio partirem para o outro lado de uma vez por todas.

Em um comparativo, Armando caminhou em 2018 com 3 de 6 prefeitos das maiores cidades de Pernambuco e este capital político ficou órfão com a derrota do petebista. Agora, prestigiado por Fernando, há condição de emplacar os três novamente na reeleição e de, ainda, ampliar o placar – caso o Palácio tenha truculência ao inserir um candidato próprio contra o prefeito Lupércio (SD), existem totais condições de ser mais um no placar da oposição. Mesmo que opte por ser candidato novamente a senador em 2022, Fernando dá um empurrão automático no candidato a governador que apoiar.

Na possibilidade real de Jarbas(MDB), seu companheiro de Senado, ser candidato a governador, haveria a união robusta de um palanque interiorano com seguidores da capital recifense. Tanto o prefeito de Petrolina, Miguel Coelho (MDB), quanto o de Recife, Geraldo Julio(PSB), são tidos como condutores do pleito no ano que vem em seus municípios e o desempenho deles e de seus candidatos deve dar o tom do acirramento que o estado vai viver em breve devido à polarização entre Petrolina e Recife e já há quem diga que Pernambuco agora possui duas capitais.

Quem conhece Fernando Bezerra Coelho sabe que ele é um trator e o Palácio também não entra na briga para perder. Tudo indica que as eleições de 2020 e 2022 serão muito mais emocionantes que as de 2016 e 2018.

Expulsão – O deputado federal Felipe Carreras (PSB) foi criticado duramente por seu voto favorável à Reforma da Previdência. Entretanto, uma expulsão poderia ser o empurrão necessário para que ele consiga uma nova sigla e possa disputar a tão sonhada cadeira de prefeito do Recife. Diversos dirigentes partidários já se apressaram a fim de oferecer abrigo a Carreras até agora. É preciso tomar cuidado para não criar os próprios inimigos. Uma campanha robusta pela oposição poderia ser devastadora para o Palácio, especialmente se o senador Fernando conseguisse trazer o Presidente da República.

Nova via – Com os rumores do impeachment circundando o prefeito e o vice-prefeito de Goiana, os radares políticos têm sido apontados para Carlinhos Viegas (PSB), presidente da Câmara de Goiana. Viegas pode se cacifar para uma disputa majoritária no município caso assuma a prefeitura interinamente.

Exército – Embora haja muito tempo para ser gasto até as eleições de 2020 e alguns candidatos mergulhem no processo, a oposição estadual já tem pré-candidatos a prefeito em todas as seis maiores cidades do estado. Em Olinda, Bispo Ossesio (PRB); em Paulista, Ramos (PTB); em Petrolina, Miguel Coelho (MDB); em Caruaru, Raquel Lyra (PSDB); em Jaboatão, Anderson Ferreira (PL); e em Recife, Raul Henry (MDB).

Desenvoltura – Tem impressionado a desenvoltura do PTC. Em muitas cidades, o partido já tem candidato a prefeito e chapa de vereadores montada com antecedência. A condução do presidente estadual, Fábio Bernardino; do vice-presidente estadual, Mário Filho; e do secretário de articulação, Lúcio Silva, tem sido alvo de muitos elogios em todo o estado.

Escrito por Marcelo Velez

COMMENTS