Por live sobre ataque a voto eletrônico, Humberto leva Bolsonaro ao TCU, PGR e TSE

Saiba mais informações clicando no link

Em Boa Viagem Joel da Harpa discursa para multidão eufórica
Danilo Cabral aciona PGR contra Bolsonaro por compra de votos da Previdência
José Queiroz se solidariza com manifestantes contrários aos cortes na Educação


Membro titular da CPI da Covid, o senador Humberto Costa (PT-PE) considerou absurda e inaceitável a live realizada por Jair Bolsonaro, na noite dessa quinta-feira (29), para atacar o voto eletrônico e colocar em xeque o sistema eleitoral, mesmo reconhecendo não ter provas de nada. Para o senador, o presidente da República promoveu o maior ataque dos últimos tempos ao Estado democrático de Direito, fazendo uso de estrutura pública para isso.

Segundo Humberto, Bolsonaro cometeu crimes de responsabilidade, de improbidade administrativa e fez campanha eleitoral antecipada distribuindo uma série de mentiras sobre o sistema eleitoral, com vídeos de YouTube e argumentação fajuta sobre fraude nas urnas já desmentidas pela Justiça. O senador levou o caso ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), à Procuradoria-Geral da República (PGR) e ao Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU).

Ao MP junto ao TCU, o senador alegou que houve utilização de recursos públicos pelo presidente da República em atividades totalmente alheias às suas atividades, com a apropriação, inclusive, da TV Brasil para a transmissão da fala. Em ofício dirigido ao PGR Augusto Aras, Humberto solicitou a abertura de procedimento “para apurar as infrações de responsabilidade” cometidas por Bolsonaro.

Já ao ministro Luís Roberto Barroso, presidente do TSE, o senador afirmou que o presidente afrontou a Lei Eleitoral e os princípios da legalidade, da moralidade e da isonomia, previstos na Constituição da República de 1988, ao usar a estrutura pública para promover campanha eleitoral antecipada.

“Aquilo foi um teatro do terror, um show de mentiras, de calúnias contra o Estado de Direito, usando o aparato da Presidência da República. É algo que não pode ficar impune. Tem de ser investigado e severamente punido”, afirmou Humberto.

COMMENTS