Prazo curto para registro de partido é interrogação para candidatos bolsonaristas – Por Marcelo Velez

Saiba mais informações dos bastidores da política pernambucana clicando no link

Bolsonaro é acusado de estelionato eleitoral pelo senador Humberto Costa
Exigência de Bolsonaro ameaça liderança de Eduardo da Fonte
Renda Brasil vai ampliar transferência de renda, diz Fernando Bezerra

Apesar de não ter sido majoritário em Pernambuco, o presidente Jair Bolsonaro teve, em 2018, um desempenho bastante invejável em certas cidades do estado, especialmente nas maiores delas no primeiro turno. Isso fez com que diversos apoiadores postulassem a benção presidencial na tentativa de herdarem a pujança do capital político bolsonarista. Alguns deles argumentam que a possível retomada da economia impulsionaria as candidaturas de direita, inclusive em cidades governadas há muito tempo pelo mesmo grupo político. Por exemplo, na capital recifense, o descontentamento com a imagem do governador e os oito anos de mandato do PSB à frente da prefeitura, somados ao bate-cabeça da oposição deixariam uma avenida aberta para candidaturas mais alinhadas ao moralismo, à quebra de oligarquias e à renovação. Entretanto, um deputado em reserva argumenta que muitos esquecem de combinar com os russos. No segundo turno, somente em Santa Cruz do Capibaribe o então presidenciável foi majoritário. Além disso, as declarações polêmicas de Bolsonaro somadas às denúncias envolvendo a própria família atrapalham a aprovação de candidatos apoiados por ele em cidades nordestinas. Na prática, a garantia de estar no segundo turno só ocorreria se o apoio do presidente fosse totalmente transferido ao seu candidato a prefeito, fenômeno difícil de se concretizar. Um outro problema assombra os tais pré-candidatos bolsonaristas: a possibilidade de não obter registro do partido Aliança Pelo Brasil até 4 de abril de 2020, prazo limite para a filiação dos pretensos candidatos. Caso não seja possível cumprir todos os trâmites legais de registro, eles seriam obrigados a disputar por partidos diversos e correrem o risco de ficarem de fora da disputa em virtude de acordos regionais. Um possível ancoradouro dos candidatos de direita seria o MDB, liderado em Pernambuco pelos senadores Jarbas Vasconcelos e Fernando Bezerra Coelho, este último líder do governo federal no Senado.

Movimentando – Esta semana, o deputado estadual Romero Sales Filho (PTB) realmente gastou sola de sapato. Esteve em Jaboatão, onde fechou parceria com o ex-vereador Jorge Junior, e no seu reduto, Ipojuca, marcou presença em uma confraternização que reuniu mais de 3.500 pessoas entre amigos e aliados políticos.

Movimentando 2 – Por falar em Jaboatão, que também circulou pela cidade foi o ex-deputado federal João Fernando Coutinho (PROS), no intuito de dar apoio à organização do partido naquele município. Desde o início do ano, Coutinho vem estruturando a legenda nas mais diversas regiões do estado.

Decisão – Para as eleições municipais de 2020 em Caruaru, os palacianos possuem três aliados como pré-candidatos: José Queiroz (PDT), Delegado Lessa (PP) e Tony Gel (MDB). Provavelmente, o PSB não deve lançar candidato majoritário, mas a sigla precisa estar no palanque de alguém. Quem será?

Carpina – Após o ato político de Joaquim Lapa (PTB) em Carpina reunindo os deputados Gustavo Gouveia (DEM) e Ricardo Teobaldo (PODE), além de diversas lideranças e apoiadores, o presidente estadual do PSB, Sileno Guedes (PSB), declarou que o PSB fica com o prefeito Botafogo (PDT).

Lançamento – Em Serra Talhada, Márcia Conrado foi oficialmente declarada pré-candidata do governo municipal à sucessão do prefeito Luciano Duque. Marcia é secretária de saúde de Serra Talhada.

Escrito por Marcelo Velez

COMMENTS