Prefeita e vereadores de Ipojuca recebem advertência do Ministério Público contra práticas eleitoreiras durante crise

Saiba mais informações clicando no link

IPOJUCA – Lideranças do PP reafirmam apoio à pré-candidatura de Albérico da Cobal
EXCLUSIVO – Albérico da Cobal reafirma sua intenção de disputar a prefeitura e não poupa criticas à pré-candidatos
IPOJUCA – Gaúcho se filia ao AVANTE para disputar prefeitura


Diante do Estado de Calamidade Pública provocado pelo coronavírus, muitos agentes políticos tomam proveito da situação para sair na frente na disputa eleitoral. Para evitar práticas como essas, o Ministério Público de Pernambuco expediu recomendações à Prefeitura de Ipojuca e à Câmara de Vereadores, alertando que as ações eleitoreiras realizadas com recursos públicos permanecem proibidas durante a pandemia. O aviso é consequência da Recomendação Conjunta PRE-PGJ nº01/2020, publicada em Diário Oficial.

“A situação estabelecida pela crise gerou um grave impasse, vários cidadãos carentes vão precisar da ajuda dos gestores municipais para sobreviver neste período de desafio, mas a legislação eleitoral não permite, em ano eleitoral, a distribuição gratuita de bens, valores ou benefícios por parte da administração pública. Para que não haja critérios políticos na escolha dos cidadãos beneficiados, os prefeitos devem adotar critérios objetivos e comunicar ao promotor da cidade como está procedendo”, afirmou o procurador-geral de Justiça Francisco Dirceu Barros.

A continuidade dos programas sociais, como o Bolsa Escola, está assegurada, desde que as políticas estejam previstas e tenham execução orçamentária desde 2019.Ou seja: prefeita e secretários não podem criar programas sociais novos em pleno ano eleitoral. Também não será permitido o desvio de finalidade de programas já existentes, de modo a impedir que essas políticas públicas sejam utilizadas para promover candidatos, partidos ou coligações políticas ou para repassar verbas públicas a entidades ligadas a candidatos, partidos ou coligações.

Por meio da recomendação, os Promotores de Justiça Eleitorais também orientaram o presidente da Câmara de Vereadores para que não dê prosseguimento à votação de Projetos de Lei que permitam a distribuição gratuita de bens, valores e benefícios, conforme a vedação expressa da Lei Eleitoral.

Os agentes políticos que descumprirem as vedações da legislação eleitoral estarão sujeitos a multa, que varia de R$ 5 mil a R$ 106 mil, e à cassação do registro ou diploma dos candidatos beneficiados pelas práticas irregulares.

COMMENTS