Presidência da Câmara dos Vereadores de Gravatá vai parar na justiça

Saiba mais informações clicando no link

“Gravatá está precisando de fato de um prefeito”, afirma Waldermar Borges ao avaliar administração de Joaquim Neto
Armando Monteiro garante apoio à reeleição de Joaquim Neto
Deputado estadual Alberto Feitosa debate política em agenda no interior do estado

A derrota na eleição para comandar a Câmara Municipal de Gravatá ainda não foi bem digerida pelo vereador Léo do Ar, que tentou, sem sucesso, eleger-se pela terceira vez presidente da Casa Elias Torres. De forma arbitrária e antidemocrática, ele apelou e, sem nenhum embasamento jurídico, anulou o resultado que sacramentou a vitória do seu colega de parlamento Luiz Prequé.

A manobra encontrada por Léo do Ar, que comandou a Câmara dos Vereadores até o último dia 31 de dezembro, foi anular a posse de Prequé, alegando que o seu adversário não apresentou a documentação correta para assumir a função.

Agora, o pleito será decidido pela Justiça, tendo em vista que já foi impetrado um Mandato de Segurança, visando tornar sem efeito a decisão do ex-presidente derrotado.

Uma particularidade nesta disputa é que Prequé e Léo do Ar obtiveram o mesmo número de votos: 7. Nino da Gaiola conquistou um voto apenas. Por ser o mais velho, Prequé levou a melhor.

“Estamos muito confiantes de que a justiça vai reverter essa decisão totalmente descabida e autoritária do candidato perdedor. Fui escolhido pelo povo e, posteriormente, pelos meus companheiros vereadores, e não vou abrir mão do meu direito. Que seja respeitada a vontade da maioria”, ressaltou Luiz Prequé, que já foi prefeito da cidade.

COMMENTS