Radar Político (02/04) – Sem Jarbas na chapa, Paulo Câmara pode contemplar mais aliados

Radar Político (02/04) – Sem Jarbas na chapa, Paulo Câmara pode contemplar mais aliados

Apontado até pouco tempo atrás como peça chave na chapa de reeleição do governador Paulo Câmara como candidato a uma das vagas para o Senado pela Fren

André Ferreira participa de entrega de leitos de UTI em Gravatá
Radar Político (10/10) – 10% dos mais influentes do Congresso são de Pernambuco
André Ferreira anuncia pacote de investimentos em Xexéu

Apontado até pouco tempo atrás como peça chave na chapa de reeleição do governador Paulo Câmara como candidato a uma das vagas para o Senado pela Frente Popular, o deputado federal Jarbas Vasconcelos já começa a ser visto por alguns líderes partidários como obstáculo para a consolidação de uma chapa que amplie o leque de alianças e contemple uma maior correlação de forças em torno do projeto de manutenção do PSB a frente do Poder Executivo Estadual.

Para um presidente de um partido da base, que prefere manter a sua identidade em sigilo, alçar Jarbas como candidato ao Senado inevitavelmente levaria à saída de Raul da vice e quebraria uma tradição onde historicamente o governador mantém o parceiro na chapa, a exemplo das reeleições vitoriosas do próprio Jarbas que preservou Mendonça Filho ao seu lado em 2002, como a de Eduardo Campos que escolheu por não substituir João Lyra em 2010.

Ainda para este aliado, a conservação de Raul Henry no posto de vice ofereceria ao governador uma série de vantagens, entre elas a de manter ao seu lado um quadro fiel, competente, e, sobretudo, discreto, além de possibilitar a Paulo Câmara a abertura de uma discussão mais ampla sobre o Senado com outros partidos, seja com aqueles já pertencentes ao grupo, ou até mesmo com os que hoje apresentam certo distanciamento da Frente Popular, já que desta forma estariam disponíveis duas vagas para serem negociadas.

Entre os partidos ávidos por indicar nomes para o Senado está o PDT com Zé Queiroz, PC do B com Luciana Santos, PP com Eduardo da Fonte, PROS com Antônio Souza ou até João Paulo, PSC com André Ferreira, PT com Humberto Costa, ou até mesmo o PSB, que tem nomes como Danilo Cabral, Antônio Figueira, Felipe Carreiras e Maurício Rands. A contemplação de dois nomes deste grupo só se dará com a exclusão de Jarbas da chapa majoritária.

Para alguns observadores políticos consultados pelo Blog, a manutenção de Jarbas como candidato a deputado federal é também vista como uma saída para fechar várias outras equações, entre elas está a de filia-lo ao PSB e garantir ao partido uma compensação em relação ao número de cadeiras que deverá perder em relação à eleição passada; trazer para o chapão um nome que pode servir como puxador de votos assim como o foi em 2014 e preservar Raul Henry de concorrer a uma eleição de deputado federal para a qual não está devidamente preparado.

Em uma disputa majoritária que dá indicativos de que o voto deverá ser disputado palmo a palmo, prezar pela ampliação do número de aliados parece ser a alternativa mais prudente para garantir um palanque forte, mesmo que o preço a ser pago por isso seja o de sacrificar um aliado como Jarbas.

Arrumando as gavetas 1 – Com o retorno de Mendonça Filho, Sebastião Oliveira, Felipe Carreras e Fernando Filho à Câmara Federal, os suplentes Fernando Monteiro (PP), Cadoca (sem partido), Creuza Pereira e Ninho, ambos do PSB, já se preparam para retornar à planície. Dos quatro suplentes apenas Fernando Monteiro apresenta chances reais de ser eleito nas próximas eleições.

Arrumando as gavetas 2 – Já para a ALEPE, a mudança ficará por conta do retorno de Nilton Mota (secretário da Casa Civil) e Alberto Feitosa (secretário de Saneamento do Recife). O primeiro realizou um excelente trabalho a frente da Secretaria de Reforma Agrária e Agricultura nos primeiros anos da gestão de Paulo Câmara e agora exerce com muita competência a área política do Governo. Já o segundo, desenvolveu com desenvoltura a função que lhe foi confiada pelo prefeito Geraldo Júlio e promoveu grandes entregas à população recifense na área de urbanismo. A volta de Nilton e Feitosa à ALEPE levará Terezinha Nunes e Gustavo Negromonte de volta à fila de espera.

Qual vai ser a prioridade? – Apesar de embrionária, a notícia de que o PSL estaria disposto a fazer palanque para Bolsonaro com o lançamento de um candidato a governador não foi bem recebida por alguns pré-candidatos proporcionais pelo partido. Na avaliação de um postulante ao cargo de deputado estadual pela sigla, a candidatura própria prejudicaria alianças na proporcional, inviabilizando a conquista de cadeiras no Legislativo Estadual.

Unidos – O chamado G5, que é composto pelo PRTB, PSDC, PRP, PHS e PV, já está decidido a se dividir em ao menos duas chapinhas para deputado estadual. Para federal, a ideia do grupo é marchar unidos para repetir o feito de 2014, quando quatro deles ajudaram uma coligação a alcançar mais de 230 mil votos e elegeram um deputado. Outra ideia do grupo é apresentar um candidato a senador. O nome de um empresário bem sucedido deve ser apresentado em breve.

Oposição 1 – Depois de realizarem o encontro “Pernambuco Quer Mudar” no Recife, Petrolina e em Caruaru, o bloco oposicionista liderado pelos senadores Armando Monteiro e Fernando Bezerra, o ministro Mendonça Filho, o deputado federal Bruno Araújo e os ex-governadores Joaquim Francisco e Joaquim Lyra, desembarcam no próximo sábado, dia 7, no Hotel Armação, em Porto de Galinhas, Ipojuca, para promoverem a 4ª e última edição do evento.

Oposição 2 – Ligada ao senador Armando Monteiro (PTB), a anfitriã do evento, prefeita Célia Sales, promete fazer bonito e tornar o evento em Ipojuca o maior de todos até agora realizados.

Pula-pula  – Informação chegada ao Blog dá conta de que há as digitais do Palácio na decisão de um pré-candidato a deputado estadual, hoje contabilizado na chapinha do PSC, em mudar de sigla. Embora não possamos divulgar o nome para não prejudicar o movimento, não poderia deixar de registrar que o pré-candidato tem potencial competitivo de votos e fará muita falta ao PSC.

É federal – Principal opositor da prefeita de Rio Formoso Isabel Hacker (PSB), o médico Edivaldo Cassimiro está mais que decidido a disputar uma vaga na Câmara Federal. O principal propósito deste movimento estaria relacionado a esquentar o nome para disputar a prefeitura em 2020. Embora estivesse contabilizado na base de apoio de Beto Accioly até pouco tempo, Edivaldo dobrará com Clóvis Paiva (PP) para estadual.

Ampliando o leque – Com acordo já fechado com o PMN e PPL para formar uma chapinha para deputado estadual, o presidente estadual do PROS, deputado federal João Fernando Coutinho, deve se reunir nesta semana com ao menos quatro vereadores recifenses que estão interessados em concorrer a uma cadeira na ALEPE pela sua sigla. Chama a atenção nesta reta final a quantidade de adesões que o PROS tem conquistado.

Escrito por Wellington Ribeiro – E-mail: [email protected]

 

COMMENTS