RADAR POLÍTICO (15/10) – Ainda que Paulo Câmara dispute o Senado, PSB não abre mão de lançar candidato a governador

Saiba esta e outras informações sobre os bastidores da política pernambucana clicando no link

Álvaro Porto mobiliza mandato em favor da realização da exposição de animais
“Nem direita nem esquerda. O que está em jogo é a chance de tirar o PSB da prefeitura, diz Álvaro Porto
Álvaro Porto solicita delegacia da Mulher para Lajedo


Nos últimos dias ganhou notoriedade a opinião de algumas figuras do PT na defesa de que o partido poderia encabeçar a chapa majoritária da Frente Popular caso o governador Paulo Câmara optasse por disputar o Senado. Na ótica dessas lideranças o PSB não poderia acumular as candidaturas de governador e senador, no entanto é remota, senão dizer impossível, a possibilidade dos socialistas abrirem mão de lançar uma candidatura ao Governo do Estado ainda que Paulo Câmara decida por concorrer à Câmara Alta.

Paulo, pelo grande momento que vive o seu Governo com o anúncio de obras e várias entregas, não só começa a construir as condições para disputar com competitividade uma vaga para o Senado, como também apresenta uma legitimidade amparada pelo histórico político de Pernambuco para a decisão. Governadores que chegaram ao fim do mandato com boa avaliação não titubearam na hora de optar por continuar na vida pública, a exemplo de Jarbas Vasconcelos em 2006 quando concorreu ao Senado, como também Eduardo Campos em 2014  quando optou por disputar a presidência.

O fato do PSB acumular uma candidatura ao Governo do Estado e outra ao Senado não pode ser vista como um empecilho ou desrespeito aos demais partidos que compõem a Frente Popular. Paulo não pode ser contabilizado como sendo da cota do PSB, apesar de pertencer ao partido. Ele é, antes de tudo, um ativo importante e estratégico desta coalizão partidária.

LADO A LADO – O senador petista Humberto Costa fez questão de colar no governador nas agendas em Amaraji, Primavera e Ribeirão. O movimento é um sinal de aproximação entre o PT e PSB para as eleições de 2022.

BOI NA LINHA – A possibilidade do ex-juiz Sérgio Moro se filiar ao Podemos pode afastar a deputada bolsonarista Clarissa Tércio de ingressar na sigla. O Podemos, comandado em Pernambuco pelo deputado federal Ricardo Teobaldo, tem Clarissa na conta pra construir a sua chapa para deputado estadual. Como Moro na sigla, essa equação fica difícil de se concretizar.

BATERISTA – Apesar de ser da oposição, o deputado estadual Álvaro Porto (DEM) fez questão de participar da agenda de Paulo Câmara em Primavera. Depois do evento Álvaro se reuniu com a prefeita Dayse Juliana na Zona Rural, oportunidade em que aproveitou para tocar bateria e articular apoio à sua reeleição.

JUNTOS – Por falar em Dayse Juliana, a prefeita está fechada com Guilherme Uchôa Júnior para deputado federal.  Com uma gestão bastante aprovada, Dayse deve garantir a Uchôa uma expressiva votação no município.

FOCADO – Deputado federal mais votado do sertão na última eleição, Sebastião Oliveira é um dos poucos parlamentares quem não vai mudar de sigla para disputar a reeleição. Conhecedor do mapa político pernambucano como poucos, Sebá já caiu em campo para formar a chapa do Avante.

CHAPA RAIZ – Independente qual seja o destino partidário de Bolsonaro, o PTB de Pernambuco anda arregimentando quadros para formar uma chapa para deputado federal genuinamente bolsonarista. Lideranças ligadas a sigla garantem que ela atingirá o quociente eleitoral. A conferir!

LEVANDO FALTA – Apesar de muito prestigiada por aliados das mais diversas siglas, a agenda do governador Paulo Câmara na Mata Sul não contou com a presença de nenhum deputado federal do PSB. Enquanto isso, Eriberto Rafael, Clodoaldo Magalhães e Guilherme Uchôa Júnior, pré-candidatos a deputado federal que devem ingressar no PSB, bateram o ponto nas agendas.

Wellington Ribeiro é pós-graduado em Gestão Pública e Legislativa pela UPE – E-mail: [email protected] Whatshap (81) 99521-6544

COMMENTS