Resíduos eletrônicos da Assembleia Legislativa serão destinados a cursos de capacitação profissional

Resíduos eletrônicos da Assembleia Legislativa serão destinados a cursos de capacitação profissional

Eletroeletrônicos descartados pelos gabinetes e setores administrativos da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) passaram a ser destinados ao

Mutirão pela Vida atende mais de 300 pessoas
José Queiroz marca em Plenária da Alepe a fundação do PDT há 40 anos
Clarissa Tércio apresenta projeto que pretende prevenir e combater a depressão, automutilação e suicídio nas escolas de Pernambuco

Eletroeletrônicos descartados pelos gabinetes e setores administrativos da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) passaram a ser destinados ao Centro de Recondicionamento de Computadores (CRC), integrando o ciclo da Economia Circular. É o que garante acordo de cooperação firmado entre as duas instituições, que visa assegurar o descarte responsável de computadores, impressoras, televisores e afins. Os materiais coletados serão usados como insumos pedagógicos por jovens em situação de vulnerabilidade social, capacitados pelo CRC na área de tecnologia e inovação. A parceria tem vigência de dois anos.

“Estamos empenhados em criar soluções sustentáveis para todos os resíduos gerados pela Alepe. A aliança com o CRC surgiu como uma excelente oportunidade de garantir destino adequado aos resíduos eletrônicos, e ainda contribuir com a formação profissional de centenas de jovens”, afirma a vice-presidente da Alepe, Simone Santana, articuladora do acordo. Três “ecopontos” estão situados nas dependências da Assembleia, para que os servidores e visitantes possam, também, descartar seu lixo eletrônico.

Em dez anos de atuação, cerca de 16 mil jovens foram capacitados pelo Centro de Recondicionamento, que ainda se empenha em conduzir os alunos ao mercado de trabalho. Além de aprenderem o funcionamento dos utensílios eletrônicos comuns, como dispositivos móveis e computadores, os aprendizes desenvolvem suas próprias invenções, como bengalas inteligentes para pessoas com deficiência visual e sensores de elevação do nível de água em caso de chuvas.

“Nada mais fazemos do que abrir o espaço para que eles venham, tenham acesso às tecnologias e, a partir daí o céu é o limite para sua criatividade empreendedora, assim como as competências para o trabalho”, conta o diretor do CRC, Domingos Sávio. Os computadores recondicionados pelo centro são doados a entidades sem fins lucrativos e a órgãos públicos, como a própria Assembleia Legislativa.

COMMENTS