Romero Albuquerque critica proposta das Juntas por soltura de presos devido a pandemia

“Não vamos dar férias para criminosos”, disse o deputado

JUNTAS apresentam ao Governo de Pernambuco projeto para Instituição de Programa de Renda Básica no Estado
Agora é lei: projeto das Juntas exige que hospitais privados informem sobre vagas em leitos de UTI em período de calamidade pública
JUNTAS querem criar o Dia Estadual da Mulher na Política

Em sessão remota realizada nesta quarta-feira (08), o parlamentar se posicionou contra apelo da colega ao governador Paulo Câmara

Romero Albuquerque, deputado estadual, protestou contra um apelo feito ao Governador do Estado pelas codeputadas Juntas. Durante a sessão realizada nesta quarta-feira (08), ao elencar suas ações de enfrentamento ao Covid-19, a parlamentar Jô Cavalcanti chamou atenção de seu colega ao destacar as medidas voltadas à população carcerária: ela pede a liberação de presidiários do grupo de risco.

Em tom amistoso, o progressista alertou à colega dos riscos de ter a proposta acatada pelo governador. “Sou totalmente contra as propostas para o sistema carcerário. Não vamos dar férias para criminosos. São estupradores, assassinos, ladrões. O mais coerente é fazer com que permaneçam na cadeia e não recebam visitas. Não podemos colocar a segurança pública em risco durante a pandemia”, falou.

Mais cedo, Romero havia protocolado uma indicação à Mesa Diretora pedindo que um apelo fosse enviado ao governador Paulo Câmara e ao presidente do Tribunal de Justiça de Pernambuco, Fernando Cerqueira, recomendando justamente que a liberação de condenados por crimes graves para a prisão domiciliar fosse evitada.

Em sua defesa, a deputada Jô argumentou que a “indicação foi feita por essa ser uma questão de saúde pública”. Romero voltou a protestar e pediu que as medidas a serem implementadas fossem “as mais rigorosas possíveis. As grávidas que estão presas devem ter o cuidado redobrado na higiene e não receber visitas, e o sistema carcerário de Pernambuco deve ser posto em isolamento”, e questionou “qual a garantia de que, livres, essas pessoas obedecerão às recomendações para o isolamento?”

No início do isolamento, Romero já havia criticado a aglomeração de familiares de detentos nos dias de visita nos presídios do estado. “Enquanto estamos confinados em casa, as pessoas se aglomeram em filas para visitas atualmente dispensáveis e perigosas aos seus parentes. Oferecem um risco a toda sociedade”, postou em suas redes sociais.

O parlamentar terminou sua fala na sessão desta quarta-feira (8) frisando que “ainda que o presidente da República ou o Papa digam o contrário, minha recomendação ao governador é deixar bandido preso!”, disse.

DECISÃO SEMELHANTE 

Uma liminar do Supremo Tribunal de Justiça, já derrubada pelo Supremo Tribunal Federal, abriu precedente para que decisões individuais de alguns juízes permitissem a liberação indiscriminada de detentos. Em algumas cidades do Brasil, como no Paraná, mais de 2.5 mil presos deixaram a prisão.

COMMENTS