Wanderson diz que parque verde no terreno do Aeroclube deveria ser prioridade da gestão da Prefeitura do Recife

Saiba mais informações clicando no link

Alberto Feitosa propõe PEC que dá autonomia de deputados legislarem sobre matérias tributária e financeira
Aprovado na Alepe projeto que garante prioridade para pessoas com câncer
Pastor Cleiton Collins intensifica ações com o gabinete móvel

Deputado estadual Wanderson Florêncio – Foto: Roberto Soares

O deputado estadual Wanderson Florêncio (PSC) criticou, nesta terça-feira (16), a lentidão da Prefeitura do Recife, que tem apresentado problemas na execução  das obras que estão sendo realizadas no terreno do Antigo Aeroclube, nas margens da Via Mangue, na Zona Sul da capital. Para o parlamentar, o projeto que prevê um parque verde deveria ser prioridade da gestão.

Previsto para ser entregue em abril de 2022, o habitacional que beneficiará 600 famílias atrasará, devendo ser entregue apenas em julho, caso o novo prazo seja cumprido. Em audiência pública realizada na Câmara de Vereadores do Recife, a Compesa revelou que serão necessárias novas obras para que o saneamento básico da região seja realizado da forma correta.

“Se o residencial está atrasado, fico imaginando quando é que o parque, promessa de campanha do atual prefeito, será entregue. Um equipamento que faz parte de um complexo orçado em aproximadamente R$ 100 milhões. O parque verde, acompanhado de intervenções paisagísticas nas vias alimentadoras, seria capaz de remodelar a Zona Sul do Recife e beneficiar milhares de pernambucanos, mas segue sem previsão de entrega. A gestão precisa ser mais proativa”, afirmou Wanderson Florêncio.

O deputado sugere como inovação a possibilidade das moradias, empreendimentos e empresariais de cunho privados existentes no projeto possam, através de porcentagem no condomínio, viabilizar a manutenção financeira do parque e dos residenciais populares.

“Já foi anunciado que parte do terreno será disponibilizado à iniciativa privada para custear equipamentos públicos existentes no projeto, defendemos que o Recife possa inovar, prevendo em legislação específica, que na formação dos condomínios, seja determinada uma porcentagem para a manutenção do parque e dos residenciais, evitando com isso, a degradação”, pontuou Florêncio.

COMMENTS