Wanderson Florêncio dispara contra Paulo Câmara, Geraldo Júlio e João Campos

Wanderson Florêncio dispara contra Paulo Câmara, Geraldo Júlio e João Campos

Parlamentar questiona liderança do governador e acusa Geraldo Júlio de usar a máquina da Prefeitura em favor de João Campos

Manoel Ferreira condena apresentação de peça em que Jesus é travesti
Radar Político (16/03) – Chapinha do PSC vende ilusão
Bancada conservadora da Alepe vota contra projeto de Dia da Visibilidade Trans e Lésbica

De saída da base do Governo, o deputado estadual Wanderson Florêncio (PSC) soltou uma nota torcendo duras críticas à forma com que os deputados da base estão sendo tratados pela gestão do governador Paulo Câmara, a quem acusou fazer “ouvidos de moucos para o Legislativo estadual, nutrindo uma relação fria, desatenciosa e insolidária com a base aliada”.

Na nota, Wanderson também não poupa críticas à aliança do governador com o PT. “não me representa, e que vem levando, ao meu ver, a defesa de teses populistas, irrealistas e rasas”. O parlamentar também aproveitou a oportunidade para desmerecer a liderança do governador a nível afirmando que a postura adotada por Paulo Câmara “apequena as tradições políticas do governo de Pernambuco que hoje se encontra na série B da importância política nacional”, disparou.

Florêncio também não poupou o prefeito da cidade do Recife, Geraldo Júlio, de quem foi aliado. “Somando-se a isso, ao nosso indelegável compromisso com a cidade do Recife, é com tristeza, a constatação de que a gestão do prefeito Geraldo Júlio cegou!”, disse.

Desmerece liderança de Paulo Câmara “apequena as tradições políticas do governo de Pernambuco que hoje se encontra na série B da importância política nacional.

“Somando-se a isso, ao nosso indesejável compromisso com a cidade do Recife, é com tristeza, a constatação de que a gesso do prefeito Geraldo Júlio cegou!”

Ele também acusou o gestor recifense de utilizar a máquina pública em favor da candidatura de João Campos.  “Não há mais de se falar em planejamento urbano, em causas coletivas e iniciativas governamentais republicanas, o que realmente cem ocorrendo por lá é o indevido uso da máquina pública e, o interesse notório do governo em favorecer a pré-candidatura a prefeito do deputado federal João Campos, que, constrange os agentes políticos locais e usurpa da máquina pública municipal não respeitando os princípios da impersonalidade, da razoabilidade e da moralidade, basilares da administração pública”.

“Desta maneira, não posso concordar com o que se transformou o Palácio Capibaribe, a prefeitura da cidade do Recife, que mais parece desde as últimas eleições, um grande comitê eleitoral  extemporâneo do candidato a prefeito do Recife, João Campos!”, expressou.

A ida de Wanderson para o bloco da Oposição é uma grande baixa na base do Governo, principalmente no Recife, onde o parlamentar exerce grande influência junto à classe média.

Escrito por Wellington Ribeiro

COMMENTS