Cara a cara com Bolsonaro, Marília Arraes critica atitudes antidemocráticas do presidente e condução de seu governo

Saiba mais informações clicando no link

Doriel Barros culpa Bolsonaro por atraso na vacinação contra a Covid-19
Humberto segue posição do PT e critica decisão brasileira na Venezuela
Há uma organização criminosa operando dentro do governo Bolsonaro, afirma Humberto


Ao comandar a cerimônia de entrega da Medalha do Mérito Legislativo, na Câmara dos Deputados, nesta manhã, com a presença do presidente Jair Bolsonaro – que foi um dos indicados para receber a comenda – a deputada Marília Arraes, titular da Segunda Secretaria da Casa fez duras críticas ao presidente e seu governo.

Em seu discurso, a  parlamentar destacou as ameaças desferidas pelo Executivo à democracia e aos direitos do povo brasileiro, num recado claro ao presidente. “O Poder Executivo, eleito de maneira majoritária, também deveria se comportar como representante do povo. Mas, muitas vezes, este pretenso povo age antidemocraticamente, quando animado por espírito sectário, taxando como inimigos e excluindo os divergentes da entidade unitária e mítica da qual julgam fazer parte aqueles que não se encontram dentro de seu cercadinho mental”, disparou.

A deputada fez questão de ressaltar o relatório “The Global State Of Democracy 2021”, publicado há dois dias, que aponta o Brasil como o país que mais perdeu atributos democráticos em 2020. “Nem sempre quem se intitula representante do povo e de sua vontade age em nome dele e como se espera em uma Democracia. Dentre os países classificados como Democracias em declínio, o Brasil se destaca em mais um ranking que não gostaríamos de pontuar: foi o que mais perdeu atributos democráticos em 2020. O Presidente da República é apontado como ameaça ao descumprir decisões do STF, apagamento de vozes críticas, divulgação de Fake News e má gestão da pandemia”, destacou a parlamentar.

A sessão solene aconteceu na manhã desta quarta-feira (24), no Plenário Ulysses Guimarães, e foi coordenada pela Segunda Secretaria da Casa. “Esta é a mais alta comenda outorgada pela Câmara dos Deputados e se reveste de um profundo significado. Expresso aos agraciados minha admiração pelas realizações em prol do povo brasileiro, parabenizando-os pela trajetória cujo reconhecimento ora traduz o compromisso com o credo democrático e também com princípios fundamentais de liberdade, igualdade e pluralismo.”

Além de Bolsonaro, que foi indicado pelo líder do PSL na Câmara dos Deputados, Major Vitor Hugo, estiveram entre os homenageados o Papa Francisco, o ministro de Relações Exteriores, Carlos França, o fotógrafo Sebastião Salgado, o ex-ministro da Justiça, Fernando Lyra e o ex-ministro da Saúde, Alexandre Padilha, sendo os dois últimos indicações da deputada Marília Arraes.

PERSONAGENS HOMENAGEADOS POR MARÍLIA

FERNANDO LYRA (in memoriam) – O pernambucano Fernando Soares Lyra era advogado e um dos principais nomes políticos do Estado. Exerceu seis mandatos de deputado federal por PE, além de ocupar o cargo de Ministro da Justiça, entre 1985 e 1986, no mandato do ex-presidente José Sarney. Seu ingresso na vida pública se deu pelo Movimento Democrático Brasileiro(MDB), partido pelo qual foi eleito pela primeira vez em 1966. A ditadura militar (1964-1985) já dominava o país e a oposição ao regime levou Lyra a aderir à ala dos “Autênticos do MDB”, parlamentares que pautaram sua atuação – dentro e fora do Congresso – pela retomada da democracia. Foi um dos principais incentivadores e coordenou a campanha que levou à vitória a chapa liderada por Tancredo Neves (presidente) e José Sarney (vice-presidente) na eleição indireta para a Presidência da República em 1985. Lyra, falecido em 2013, foi ainda uma das principais inspirações para a deputada Marília Arraes iniciar sua carreira política.

ALEXANDRE PADILHA – Médico formado pela Universidade de Campinas (Unicamp), especializado em Infectologia pela USP, Alexandre Rocha Santos Padilha traz na bagagem a coordenação da campanha do ex-presidente Lula em 1989 e 1994. No Executivo, Padilha assumiu em 2011, a Secretaria de Relações Institucionais e foi ministro da Coordenação Política do Governo Lula. Na gestão da presidenta Dilma Rousseff, foi ministro da Saúde e se destacou como o principal responsável pela implantação do Programa Mais Médicos. Na Prefeitura de São Paulo, na gestão de Fernando Haddad, exerceu o papel de secretário de Saúde do Município. Hoje, Padilha atua na bancada do PT na Câmara dos Deputados, ao lado da deputada pernambucana.

COMMENTS