Clovis Paiva condena ampliação de cota para importação de etanol sem tarifa

Clovis Paiva condena ampliação de cota para importação de etanol sem tarifa

Deputado afirma que a cadeia produtiva nordestina enfrentará concorrência injusta, o que pode refletir no aumento do desemprego na região

Proibido o uso de cigarro eletrônico em espaços coletivos em Pernambuco
Cleiton Collins critica duramente deputada do PSOL e defende comunidades terapêuticas
Alepe homenageia escritores em Sessão Solene

O deputado Clovis Paiva (PP) reagiu, na Reunião Plenária desta quarta (4), à decisão do Governo Federal que ampliou de 600 milhões para 750 milhões de litros a cota de álcool etílico que poderá ser comprada no exterior sem a tarifa de importação de 20%. A mudança consta em portaria do Ministério da Economia publicada em edição extra do Diário Oficial da União do último sábado (31). Para o parlamentar, a medida “será devastadora para cadeia produtiva nordestina”, que enfrentará “concorrência injusta” com o etanol de milho produzido pelos Estados Unidos com subsídios governamentais.

“O Nordeste tem cerca de 60 unidades produtoras e 30% delas tiveram as atividades encerradas nos últimos seis anos. As secas sucessivas e os preços baixos do álcool e do açúcar foram grandes fatores para o desastre ocorrido, mas as políticas errôneas para o combustível que fizeram o setor amargar a maior crise da história. Agora, mais uma vez, decisões sem critério agravam ainda mais a situação”, disse o parlamentar, que pediu a revogação da portaria.

Coordenador da Frente Parlamentar em Defesa do Setor Sucroalcooleiro, o deputado do PP considerou, ainda, que a decisão foi precipitada e tomada sem avaliação dos impactos econômicos e sociais. Ele alertou que os preços do produto serão depreciados, prejudicando não apenas os empresários e funcionários das usinas, mas também os cerca de 22 mil produtores de cana-de-açúcar. Esse setor, segundo ele, é constituído em mais de 95% por agricultores familiares. “São pequenos produtores que têm na cana a sua subsistência e ficarão sem renda suficiente para alimentar suas famílias”, advertiu.

COMMENTS