Coluna Política em Dia (17/08) – O xadrez político em Olinda para 2020

Coluna Política em Dia (17/08) – O xadrez político em Olinda para 2020

Saiba mais informações dos bastidores da política pernambucana clicando no link

Antônio Campos acusa PSB de participar de conspiração contra Júlio Lossio
Antônio Campos confirma presença em evento da Oposição, em Caruaru, e sua pré-candidatura a Senador pelo Podemos
Antônio Campos e Marinaldo Rosendo combinam dobradinha em Olinda e mais duas cidades do interior

Há quase um ano para as eleições municipais na Marim dos Caetés, mas o cenário político permanece muito nublado, embora as articulações estejam a todo vapor tanto na situação quanto na oposição. Terceira maior cidade do estado e nacionalmente conhecida pela tradição cultural, Olinda é tida como estratégica tanto para o Palácio quanto para a oposição em 2020. Atualmente comandada pelo prefeito Lupércio(SD), a disputa deve ser uma das mais acirradas dentre as 6 cidades com segundo turno no estado. Se, por um lado, Lupércio enfrenta um processo de grande desgaste, também aproveita a inexistência de quadros no momento para tentar sair da condição indesejável que ocupa. Em 2018, sua esposa foi candidata a deputada estadual e auferiu 15.160 votos na cidade, ficando atrás apenas de Gleide Ângelo(PSB). De posse da prefeitura, o gestor conseguiu cooptar Izabel Urquiza (PSC), que obteve 5.064 votos para o mesmo cargo ano passado e também não foi eleita. Urquiza disputou a prefeitura em 2016 contra Lupércio e foi derrotada na ocasião. O grande problema para ele será driblar a dupla rejeição: aquela natural por ter um mandato e a relacionada às falhas administrativas de seu grupo político. Então, o prefeito precisará suar a camisa para  mostrar ao povo olindense que merece mais 4 anos.

Do lado do Palácio, há o PCdoB querendo recuperar a prefeitura da cidade habitualmente cativada pela legenda. Somados os mandatos de Luciana Santos e Renildo Calheiros, foram 16 anos de comunistas governando a cidade de Olinda. Entretanto, em 2016, Luciana Santos era deputada federal e disputou a prefeitura com apoio do prefeito Renildo, mas acabou fora da corrida ainda no primeiro turno. Já no ano de 2018, o deputado estadual João Paulo (PCdoB) obteve meros 2.627 votos, enquanto Renildo cooptou outros 3.679. Um resultado muito aquém do esperado e que mostra a rejeição dos nomes do partido pelos eleitores da cidade. Para os comunistas, será necessária muita articulação nos bastidores a fim de emplacar um nome novo no processo, ou, pela primeira vez em quase 2 décadas, deixar de indicar um nome para a cabeça de chapa.

De acordo com algumas lideranças olindenses, Antônio Campos não deve se colocar na disputa eleitoral do ano que vem, exceto se houver uma conjuntura muito favorável neste processo, envolvendo, inclusive, o apoio do Governo Federal através do senador Fernando Bezerra Coelho (MDB). Apesar de haver chegado ao segundo turno em 2016, Antônio se fragilizou bastante no ano passado e agora deve se dedicar à sua gestão na Fundaj, mas também dando passagem a uma alternativa nova. Uma prova deste movimento, na opinião de um ex-vereador em reserva, teria sido o ato de articular junto ao Coronel José Lopes uma possível candidatura do militar pelo PRTB.

No campo da direita, também deve haver a candidatura do vereador e presidente da Câmara, Jorge Federal (PSL). O edil pretende se amparar em uma parcela dos 86.808 votos do presidente Jair Bolsonaro(PSL) e numa onda conservadora que pudesse coloca-lo ao menos no segundo turno.

Correndo por fora, o ex-Secretário de Patrimônio e Cultura, Gilberto Sobral (PTC) apresenta-se como alternativa nova, mas lúcida no processo eleitoral. Giba, como é conhecido, já reuniu-se com diversas lideranças na cidade e tem se posicionado bem com relação aos outros candidatos a prefeito. Suas movimentações já chamam a atenção de alguns deputados que sinalizaram eventual apoio, mas que preferem esperar o cenário decantar antes de declarar um apoio de maneira robusta. Gilberto conta com apoio incondicional do presidente estadual do PTC, Fábio Bernardino, e de diversos articuladores na cidade. A expectativa é a de que Giba deva crescer bastante nas pesquisas ainda no período pré-eleitoral e assuma uma posição de competitividade no pleito.

Por último, mas não menos importante, o nome do deputado federal Bispo Ossesio (Republicanos) foi pré-colocado para a disputa e o referido parlamentar vem se posicionando a respeito de muitos temas relativos a Olinda, além de ter aumentado o número de visitas à cidade. Ele conta com apoio do presidente do Republicanos no estado, Sílvio Costa Filho.

Constrangimento – Durante evento do Todos por Pernambuco, uma jovem do município de Belém do Francisco, criticou duramente o governador Paulo Câmara (PSB) pelo não cumprimento de promessas de campanha e falta de compromisso com moradores do interior. O ambiente estava lotado e quase todos aplaudiram a mulher.

Ampliando – O deputado federal Eduardo da Fonte (PP), recebeu na noite desta sexta-feira (16), o advogado Felipe Campos, presidente do diretório municipal do Progressistas em Condado. Campos é um nome forte para disputar a eleição na cidade, além de ter o exemplo do avô Zô Cabral, que já comandou o município. O encontro faz parte das articulações do PP para lançar dezenas de candidatos a prefeito em 2020.

Ampliando 2 – Por falar nos Progressistas, caso consiga mesmo lançar uma quantidade expressiva de candidatos a prefeito em 2020 com chances de vitória, o PP deve se tornar a segunda sigla a mais eleger prefeitos no estado, podendo também assumir a dianteira caso o desempenho do PSB seja baixo.

Chã de Alegria – Pavimentando espaços para 2020, o MDB ganhou nova direção na cidade com a filiação do Secretário de Infraestrutura, Albino Andrade. Ele também assume o comando da sigla na cidade e terá como vice-presidente a Secretária de Assistência social e Primeira-dama Andrelly Lira.

Encontro – Chamou atenção nas redes sociais a foto do café entre Gleide Ângelo (PSB) e Túlio Gadêlha (PDT) nesta sexta-feira. Muito ativos nas redes sociais, qualquer mera conversa entre ambos assusta pelo potencial político que a dupla dinâmica pode turbilhonar. Aliados, quando perguntados, minimizaram.

A oposição enfim vai acertar o passo e montar um projeto consistente ou só bater cabeça por ego e vaidade?

Escrito por Marcelo Velez 

COMMENTS