Emenda de Danilo Cabral busca garantir pagamento de precatórios do Fundef

Saiba mais informações clicando no link

Projeto de Eduardo da Fonte pode barrar reajustes abusivos de planos de saúde
Sancionado projeto de André Ferreira que reduz conta de luz para famílias de baixa renda
Deputado Betinho Gomes anuncia voto contra reajuste de salários de ministros do STF


O deputado federal Danilo Cabral, líder do PSB na Câmara, apresentou ao lado do colega Idilvan Alencar (PDT-CE), uma proposta de emenda à PEC dos Precatórios (23/2021) para garantir o pagamento dos precatórios do Fundef aos professores. Pernambuco tem R$ 4,1 bilhões a receber no próximo ano, mas isso não acontecerá se o texto for aprovado pelo Congresso Nacional.

“Desde a aprovação do famigerado teto dos gastos, em 2016, temos alertado para o problema que ele gera nas contas públicas, principalmente reduzindo a capacidade de investimento do Estado. Por isso, buscamos excepcionalizar os precatórios do Fundef da proposta”, afirmou Danilo Cabral, que integrará a comissão especial.

Após semanas de negociação que envolveram os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, chegou-se à proposta da PEC dos Precatórios, que flexibiliza o pagamento de R$ 89,9 bilhões em dívidas judiciais em 2022. A ideia é estabelecer um teto de aproximadamente R$ 40 bilhões para pagamento dos precatórios no Orçamento do próximo ano, levando em conta o teto de gastos.

Para o montante da dívida que exceder o limite anual de pagamento, será aprovada uma série de negociações fora do teto de gastos, incluindo a possibilidade de quitação imediata do volume diferido com um desconto de 40%.

“O que pretendemos com nossa emenda é assegurar que o pleito dos professores seja atendido no próximo ano, como estava previsto. Há uma expectativa muito grande no ambiente da educação em relação a esses recursos”, diz Danilo Cabral. Já Idilvan Alencar lembra que “são mais de 10 anos de disputa judicial até chegar a esse momento. O recurso chega em boa hora, um momento em que o país precisa recuperar a aprendizagem perdida na pandemia”.

Foi instalada hoje a comissão especial que analisará a PEC 23/2021.

COMMENTS