Governo de Pernambuco ultrapassa limites constitucionais na quarentena, afirma Joel da Harpa

Saiba mais informações clicando no link

Ipojuca formaliza processo de armamento da Guarda Municipal
Joaquim Nabuco – Gestão de Neto Barreto é mais uma vez alvo de denúncias
Joel da Harpa comemora aquisição de armas para a guarda municipal de Santa Cruz do Capibaribe

O deputado estadual Joel da Harpa (PP) se manifestou com as restrições impostas pelo Governo do Estado em relação a quarentena. “Está na Constituição Federal: o Brasil só admite restrição do direito de ir e vir em caso de guerra declarada. E a guerra só pode ser declarada pelo presidente da República. Ninguém é obrigado a acatar um ato com vicio de inconstitucionalidade. Alguns prefeitos e governadores estão criando suas próprias leis, ultrapassando os limites constitucionais”, disse o parlamentar que também questiona o emprego da Polícia Militar para prender pessoas que vão à praia, por exemplo.

“Em Pernambuco está tudo errado. Fecham as casa, escolas, comércio mas não são capazes de fechar as bocas de fumo. Proíbem as pessoas de caminhar na praia, prendem cidadãos de bem e deixam soltos os bandidos. Um verdadeiro desrespeito ao povo pernambucano e ao profissional de segurança que é desviado de função e obrigado a cumprir ordens absurdas”, desabafa o parlamentar.

Segundo Joel, essas prisões não são lícitas. É o cerceamento do direito de ir e vir. “Nada mais grotesco do que um prefeito ou governador mandar prender alguém porque ele está, por meio de um decreto administrativo, tolhendo o direito de ir e vir. Também não existe crime de desobediência. Esse crime só existe como previsto no Artigo 331 do Código Penal: quando é desobedece ordem licita”, destacou.

O deputado vem demonstrando certa preocupado com os policiais militares e guardas municipais. “O policial ou guarda que acatar a ordem corre, inequivocamente, no crime de Abuso de Autoridade. Infelizmente, teremos, após a quarentena, a possibilidade desses profissionais responderem a diversos processos. O isolamento é uma recomendação e não uma ordem. Na Constituição Artigo 5, Inciso II” ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei”, princípio da Legalidade. E ainda o XV “ é livre a locomoção no território nacional em tempo de paz, podendo qualquer pessoa, nos termos da lei, nele entrar, permanecer ou dele sair com seus bens”. Também não cabe ao Governador proibir reuniões de pessoas. Está no Artigo XVI: “todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização”, ressaltou Joel.

.“Não estamos em guerra. E apenas no Estado de Defesa e no Estado de Sitio é quando o presidente da Republica, após consultar o Congresso Nacional, poderá suspender alguns direitos” concluiu.

COMMENTS