Henrique Queiroz Filho defende tratamento humanizado para pessoas ostomizadas

O deputado Henrique Queiroz Filho (PR) foi à tribuna, na Reunião Plenária desta quinta (6), cobrar atendimento humanizado para as pessoas ostomizada

ALEPE aprova Nota Fiscal Solidária e ajustes em impostos estaduais
Lei de Alessandra Vieira desobriga que crianças com autismo usem máscara
Coluna Radar Político (29/06) – Fernando Bezerra desafia Paulo Câmara

DIFICULDADE – “Pacientes vivem luta diária para conseguir bolsas e kits de manutenção e higienização das ostomias.” Foto: Roberto Soares

O deputado Henrique Queiroz Filho (PR) foi à tribuna, na Reunião Plenária desta quinta (6), cobrar atendimento humanizado para as pessoas ostomizadas – condição de pacientes que, em decorrência de cirurgia, precisaram fazer uma abertura artificial entre os órgãos internos com o meio externo. “Eles enfrentam uma luta diária para conseguir as bolsas e os kits de manutenção e higienização das ostomias. Sem falar da tão sonhada cirurgia de reversão”, explicou.

O parlamentar cobrou o cumprimento da Portaria nº 400/2009, do Ministério da Saúde, que estabelece as diretrizes nacionais do Sistema Único de Saúde (SUS) para a atenção à saúde dos ostomizados. Pediu ainda a aprovação, pela Alepe, do Projeto de Lei nº 1589/2017, que obriga estabelecimentos comerciais de grande porte a disponibilizarem banheiros adaptados ao uso dessas pessoas.

Queiroz Filho frisou que, segundo a Associação dos Ostomizados de Pernambuco (Aospe), mais de duas mil pessoas vivem nessa situação no Estado. Ele também registrou a realização, no último dia 24 de maio, da 1ª Jornada de Saúde ao Atendimento dos Ostomizados. O debate ocorreu no Hospital Barão de Lucena, na Zona Oeste do Recife.

“Devemos exigir do Poder Executivo o fornecimento das bolsas, dos kits e dos medicamentos necessários para esses pacientes”, disse o deputado.

“É preciso um trabalho dos três poderes, junto com a sociedade, pois os ostomizados se sentem bastante discriminados socialmente e esquecidos pelo Poder Público”, reforçou.

COMMENTS