Parceria entre o Governo do Estado e Unicef vai distribuir cartões alimentação a famílias em situação de vulnerabilidade social

Saiba mais informações clicando no link

Pernambuco registra mais 266 pacientes com coronavírus (Covid-19) e mais 11 mortes neste domingo
Em encontro com governador, prefeito Noé Magalhães trata sobre obras de infraestrutura para Água Preta
Sebastião Oliveira ficou a ver navios


A secretaria estadual de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude (SDSCJ) firma parceria com a Unicef e adere ao programa de entrega de cartões alimentação às famílias em situação de vulnerabilidade social das cidades de Afrânio, Araripina, Calumbi, Cedro, Exu e Mirandiba. Pernambuco será o primeiro estado a operacionalizar o programa, que vai atender as pessoas acompanhadas em junho pelo Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família (PAIF).

Junto aos especialistas de Políticas Sociais da Unicef, o secretário da SDSCJ, Sileno Guedes, e o executivo de Assistência Social, Joelson Rodrigues, participaram de uma reunião nesta quinta-feira (08) para apresentar as diretrizes da proposta aos prefeitos e prefeitas, além dos gestores da política, de cada cidade. “Esse período de pandemia tem exigido de todos nós um esforço muito grande, sobretudo de quem atua no atendimento social junto aos mais vulneráveis. Pernambuco tem enfrentado esse momento pactuando medidas que facilitem a atuação dos gestores e que ampare a população. Ficamos muito felizes com mais esse movimento e com a oportunidade e confiança da Unicef em firmar essa parceria com o Governo do Estado”, pontuou Guedes.

Especialista da área de Políticas Sociais, da Unicef, Liliana Chopitea pontuou que o programa foi formulado para combater o crescimento da insegurança alimentar e da pobreza, além do aumento das demandas de entrega de cestas básicas realizadas pelo Sistema Único da Assistência Social (SUAS) desde o início da pandemia. “A Unicef tem uma admiração muito grande pela atuação da Assistência Social e queremos colaborar nesse esforço em apoiar os mais vulneráveis. É um programa piloto, mas esperamos ampliar para mais municípios e bairros da capital”, destacou.

O cartão alimentação será aceito em estabelecimentos credenciados previamente, será abastecido com o valor de R$100 e, neste início, terá uma parcela. Ele será nominal à pessoa de referência da família, seguindo o mesmo critério do programa Bolsa Família. A quantidade de famílias beneficiadas será identificada pelos municípios e a distribuição dos cartões deve acontecer nos Centros de Referência da Assistência Social (CRAS) de cada localidade. “O cartão vai dar autonomia para a família fazer suas escolhas a partir do que precisa naquele momento, além de movimentar a economia local”, destacou o secretário-executivo de Assistência Social, Joelson Rodrigues. Com a adesão dos municípios, a expectativa é que os primeiros cartões cheguem ainda esse mês e já sejam entregues às famílias.

COMMENTS