conecte-se conosco

Olá, o que você está procurando?

MENU
Blog Ponto de Vista
Coluna Ponto de Vista de Brasília

por Dennys Sousa

Analises e opniões aprofundadas sob uma visão critica dos asuntos que moldam o cenário político da capital do Brasil

Dinheiro
Dinheiro

Ponto de Vista de Brasilia

Ponto de Vista de Brasília (12/11) – Governo cede e libera R$ 15,2 bilhões para aliviar pressão de estados e municípios

Dinheiro
Na última quinta-feira (09/11), o Congresso Nacional aprovou um projeto de lei crucial para estados, municípios e o Distrito Federal, destinando um crédito especial de R$ 15,2 bilhões no Orçamento de 2023. A medida visa compensar as perdas de arrecadação, em um momento em que muitos prefeitos enfrentam dificuldades para equilibrar suas contas. O valor foi dividido em duas partes: R$ 8,7 bilhões para cobrir a perda de arrecadação com o ICMS e R$ 6,3 bilhões para repor a redução nas transferências aos Fundos de Participação dos Estados e do Distrito Federal (FPE) e dos Municípios (FPM).

A aprovação da medida foi comemorada por prefeitos e governadores, que vinham pressionando o governo federal por mais recursos. No entanto, especialistas apontam que a medida é apenas paliativa e não resolve o problema estrutural da perda de arrecadação dos municípios. O ICMS é a principal fonte de receita dos municípios, responsável por cerca de 50% do total arrecadado. Nos últimos anos, a perda de arrecadação com o ICMS tem sido uma constante, devido a uma série de fatores, como a redução das alíquotas do imposto, a inflação e a concorrência dos estados vizinhos.

A redução das transferências aos Fundos de Participação dos Estados e do Distrito Federal (FPE) e dos Municípios (FPM) também tem contribuído para a perda de arrecadação dos municípios. Essas transferências são uma importante fonte de recursos para os municípios, especialmente para os menores. A aprovação do crédito especial de R$ 15,2 bilhões é um alívio para os municípios no curto prazo. No entanto, é preciso encontrar soluções estruturais para resolver o problema da perda de arrecadação. Uma das medidas propostas é a criação de um fundo de compensação para os municípios, que seria financiado por uma alíquota adicional do ICMS.

Outra medida que poderia ajudar a resolver o problema é a revisão da legislação tributária. Atualmente, o ICMS é um imposto complexo e com muitas distorções. Uma reforma tributária poderia simplificar o imposto e torná-lo mais justo para todos os contribuintes. A seguir, alguns pontos relevantes quanto ao crédito liberado para aliviar a pressão dos estados, municípios e ministérios.

Origem e Destino dos Recursos:

O projeto inicialmente propunha um crédito especial de R$ 207,4 milhões para diversos ministérios. No entanto, uma modificação enviada pelo governo redirecionou a maior parte dos recursos, incluindo R$ 15 bilhões para compensar as perdas de estados e municípios, conforme previsto na lei complementar (LC 201/23). Do montante, R$ 8,7 bilhões têm como objetivo mitigar as perdas dos estados com a redução do ICMS de combustíveis e outros serviços em 2022, enquanto R$ 6,3 bilhões estão relacionados às perdas dos Fundos de Participação dos Estados e Municípios (FPE e FPM).

Justificativa Fiscal e Críticas:

O relator do projeto, deputado Mauro Benevides (PDT-CE), explicou que o crédito especial é possível devido ao espaço fiscal no Orçamento de 2023, com um déficit das contas públicas R$ 75 bilhões inferior à meta anual estabelecida. No entanto, vozes críticas, como a deputada Bia Kicis (PL-DF), destacam que embora a medida ajude as contas dos municípios, questiona a sustentabilidade a longo prazo.

Benefícios para Ministérios e Ações Específicas:

O remanejamento de recursos internos do governo afetará ações de diversos ministérios, incluindo Agricultura e Pecuária, Educação, Justiça e Segurança Pública, Transportes, Cultura, Defesa e Portos e Aeroportos. As verbas serão direcionadas para uma variedade de projetos, como construção de terminais fluviais, dragagem em portos, obras rodoviárias e infraestrutura básica.

Antecipação da Reposição e Acordo no Congresso:

A reposição das perdas estava inicialmente programada para 2024, mas o Ministério do Planejamento e Orçamento decidiu antecipá-la devido ao espaço fiscal de R$ 74,9 bilhões em relação à meta de resultado primário estabelecida na Lei de Diretrizes Orçamentárias. A presidente da Comissão Mista de Orçamento, senadora Daniella Ribeiro, enfatizou a importância da medida para garantir a continuidade dos serviços essenciais à população.

Acordo sobre Veto e Pauta Adiada:

Além do projeto em questão, um acordo entre líderes partidários adiou a análise de 33 vetos e outros projetos de lei do Congresso Nacional para 23 de novembro. A oposição, representada pelo senador Rogério Marinho (PL-RN), destaca a priorização dos vetos relacionados ao novo marco fiscal.

Em resumo, o crédito de R$ 15,2 bilhões representa um alívio financeiro imediato para estados e municípios, permitindo a continuidade dos serviços públicos essenciais. No entanto, questões sobre a sustentabilidade fiscal e a necessidade de acordos políticos para lidar com outros temas relevantes continuam no centro do debate.

E AGORA? – O crédito de R$ 15,2 bilhões é uma solução imediata ou remendo para as finanças públicas?

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar

MUDANÇAS

O Governo de Pernambuco anunciou, nesta segunda-feira (22), mudanças nos comandos da Polícia Militar e da Polícia Civil. O coronel Ivanildo Cesar Torres de...

Destaque

O município de Serra Talhada foi classificado como uma das 10 cidades mais competitivas do Nordeste, segundo avaliação do Centro de Liderança Pública (CLP),...

FESTA DO MOMO

Já escutamos os sinais do Carnaval! A Prefeitura do Recife anunciou diversos serviços e novidades para o Carnaval 2024. Em coletiva realizada na manhã...

Copyright © 2014 - 2023 Blog Ponto de Vista. Todos os direitos reservados.