Prefeitura e Hospital Universitário pactuam abertura de 122 novos leitos para Covid-19

Saiba mais informações clicando no link

Pernambuco chega a 8.145 casos de Covid-19. Mortes totalizam 628 no estado
Pernambuco registra 369 novos casos de Covid-19 e 31 óbitos
Bonito sai na frente no Agreste e inicia vacinação de idosos a partir de 65 anos

A rede de saúde voltada para o tratamento de pacientes com coronavírus terá a capacidade expandida em Petrolina. Em reunião nesta quarta (06), o prefeito Miguel Coelho pactuou com o reitor da Univasf, Paulo Fagundes, e o superintendente do Hospital Universitário, Itamar Santos, a abertura de 122 novos leitos intermediários e de tratamento intensivo. A medida faz parte do plano conduzido pela Prefeitura de Petrolina para enfrentamento ao coronavírus na cidade sertaneja.
Dos novos leitos, 22 serão da UTI e 100 para pacientes em estágio intermediário. As vagas serão abertas no Hospital Universitário e na Policlínica da Univasf. A prefeitura, que já disponibiliza para a unidade hospitalar 108 médicos, enfermeiros e técnicos, acrescentou uma equipe com cerca de 40 profissionais de saúde para enfrentamento da Covid-19. Já o Governo Federal entrará com a estrutura física e equipamentos de atendimento.
Dessa forma, a capacidade de atendimento a pacientes com Covid-19 poderá chegar até a 322 vagas. Isso porque, o hospital de campanha da prefeitura já está montado com 100 vagas intermediárias. Outros 100 leitos já foram assegurados pelo Governo do Estado, que erguerá uma estrutura de enfermaria ao lado do Hospital Universitário.
Na agenda com o reitor e o superintendente do hospital, Miguel destacou o diferencial de integrar as instituições públicas e sociedade civil para enfrentar a pandemia. “Essa união de esforços tem sido decisiva nesse momento tão desafiador. O Hospital Universitário e a Univasf tem estado junto com a prefeitura permanentemente. Pudemos discutir ações em conjunto, montar com rapidez uma UTI e agora já estamos providenciando novas estruturas caso a situação se agrave. Não há como superar a maior crise de saúde pública dos últimos 100 anos sem unidade e, nesse sentido, Petrolina está muito bem”, destacou o prefeito após a reunião.

COMMENTS