Radar Político (16/01) – A quem interessa tirar Marília Arraes da disputa pela prefeitura do Recife?

Saiba mais informações sobre os bastidores da política pernambucana clicando no link

Paulo Câmara autoriza requalificação da PE-045 em Vitória de Santo Antão
Radar Político (17/12) – Semana decisiva para formação do novo secretariado estadual
Radar Político (16/10) – Inércia de Sebastião Oliveira prejudica imagem do Governo


Apesar de ser novata no Partido dos Trabalhadores, com apenas 3 anos e 10 meses de filiada, a deputada Federal Marília Arraes conquistou neste curto espaço de tempo um protagonismo 
surpreendente dentro da sigla. Em 2016 se reelegeu como a sexta vereadora mais votada do Recife, inclusive com votação bem superior a outros filiados históricos do PT. Já no ano de 2017 e 2018 percorreu todo o estado e consegui tornar competitiva a sua pré-candidatura à governadora do Estado. Porém, na a véspera da eleição, em agosto de 2018, a Executiva Nacional do Partido, contrariando o desejo majoritário da militância petista no estado e atendendo a um desejo do senador Humberto Costa, decidiu retirar a candidatura dela para se unir ao PSB. Na época, no meio político pernambucano não se falava em outra coisa senão na grande possibilidade de Marília ter ganho a disputa. Preterida de concorrer ao Governo do Estado Marília disputou um mandato de deputada federal e saiu das urnas com 193 mil votos, figurando na segunda colocação entre os 25 federais eleitos no estado.

Agora, em 2020, o nome da neta de Arraes é novamente visto como alternativa em uma disputa majoritária, desta vez para concorrer à Prefeitura do Recife. Porém, assim como foi em 2018, cardeais do PT de Pernambuco torcem o nariz quanto a esta possibilidade e preferem manter a aliança com o PSB que rendeu ao partido os comandos da Secretaria Estadual de Agricultura, além da secretaria de Saneamento na Prefeitura do Recife.

É sabido que para o PSB a manutenção da aliança com o PT é interessante, principalmente porque tira do páreo uma candidata em potencial como é o caso de Marília, que pontua bem em pesquisas. Porém, para setores do PT, digo Humberto Costa e companhia, conter Marília é garantia de continuar mantendo a hegemonia dentro do partido e acomodar aliados na máquina estadual e da capital.

OLINDA – O empresário Celso Muniz, do Shopping Patteo, segue decidido a disputar a prefeitura de Olinda. Inclusive surge rumores de que ele já teria aberto diálogo com o vereador Mizael Prestanista, o mais votado na última eleição, convidando-o para ser o seu companheiro de chapa. Responsável pela geração de quase 5 mil empregos em Olinda com a construção do Shopping, Celso Muniz se credencia como o candidato que acredita no potencial do município e investe nele. Isso pode pesar muito na decisão do eleitor olindense.

PREPARANDO TERRENO – O ex-deputado federal João Fernando Coutinho e o suplente de deputado estadual Manoel Jerônimo têm gastado a sola do sapato percorrendo o estado no intuito de fortalecer o PROS. O mais novo anúncio realizado pela dupla foi a filiação do ex-vice-prefeito de Nazaré da Mata, Maurício Andrade, que disputará o Poder Executivo do município em outubro.  Outro anúncio foi o apoio da sigla à pré-candidatura a prefeito de Marcelo Motta em Limoeiro.

PREPARANDO TERRENO 2 – Conhecido por sua militância de origem Metropolitana, o deputado federal Daniel Coelho também está focado no crescimento do Cidadania em outras regiões do estado. Em Salgueiro, no Sertão, ele apoia a pré-candidatura do vereador e seu correligionário George Arraes, atual presidente da Câmara.

NO PÁREO – O comerciante Ivan Queiroz, filiado ao MDB, decidiu encara a disputa pela prefeitura de Amaraji. Ele, que enfrentará o prefeito Rildo Reis, já caiu em campo dialogado com lideranças e população em geral. A sua pré-candidatura conta com o incentivo e apoio dos deputados Raul Henry (federal) e Aglailson Victor (estadual).

O BALÃO NÃO SOBEHá pouco mais de 9 meses para a eleição, o prefeito de Escada, Lucrécio Gomes (PSB), tem um grande desafio pela frente: Encontrar dentro do seu grupo um nome capaz de enfrentar a sua adversária Mary Gouveia com competitividade. Todos que até agora ensaiaram uma pré-candidatura no grupo de Lucrécio não conseguiram convencer que têm viabilidade eleitoral.

SEU PERGUNTAR ALGUÉM RESPONDE? A delegada Patrícia Domingos estaria de malas prontas para o Podemos ou para o Aliança Pelo Brasil?

Escrito por Wellington Ribeiro – E-mail: [email protected] – Telefone: (81) 99521-6544

COMMENTS