RADAR POLÍTICO (18/10) – PP, Republicanos e PSD na preferência pela vaga de senador na Frente Popular

Saiba esta e outras informações sobre os bastidores da política pernambucana clicando no link

Feitosa ameaça acionar justiça contra Governo do Estado
“Eu o entendo”, diz Alberto Feitosa sobre Bolsonaro não declarar apoio a nenhum candidato nas eleições municipais
Radar Político (25/05) – Recife, uma eleição com cara de segundo turno


Quando o assunto é a escolha do nome que representará uma coalizão partidária na disputa pelo Senado, existem alguns pré-requisitos que não podem ser deixados de serem levados em consideração, como é o caso da representação e força política que o nome e o seu partido podem agregar à chapa. Na eleição de 2018, quando duas vagas estavam em disputa, a chapa de Armando Monteiro teve como candidatos ao Senado Mendonça Filho e Bruno Araújo, ambos tinham em comum serem ex-ministros de Temer e representantes dos dois maiores partidos da oposição na época. Por sua vez, a chapa de Paulo Câmara teve como candidatos o então senador Humberto Costa e o ex-governador Jarbas Vasconcelos. O primeiro representando o PT e o segundo o MDB, partidos que detinham o maior tempo de televisão a oferecer para a Frente Popular. Em relação ao MDB, o fato de Jarbas ter evitado a ida da sigla para a oposição também contou no processo de escolha do seu nome.

Para 2022 a escolha também não deve fugir à regra. Levando isto em consideração, na Frente Popular ao menos quatro siglas trabalham pela preferência nesta composição. São o PT, Progressistas, Republicanos e PSD. Para o PT o grande desafio neste processo é não ter à disposição um nome com tamanho majoritário. Tirando Marilia Arraes, que por questões lógicas devido o seu posicionamento contrário à aliança com o PSB, não há outra figura dentro do partido com lastro eleitoral para tal, o que acaba por deixar o PT de fora da disputa, levando o partido a indicar o nome para compor o candidato a vice-governador. Por sua vez, as outras três siglas têm entre seus quadros nomes com projeção majoritária, a exemplo de Eduardo da Fonte (Progressistas), Sílvio Costa Filho (Republicanos) e André de Paula (PSD).

O primeiro conta ao seu favor o fato de comandar uma sigla com ampla base na ALEPE, grande número de prefeitos e maior tempo de televisão. Outro aspecto que deve ser levado em consideração é a fato de Da Fonte já ter dado inúmeras declarações que, ainda que Bolsonaro ingresse na sigla, ele se manterá na Frente Popular evitando que o partido vá para a oposição.

Por sua vez, Sílvio Costa Filho e André de Paula, presidentes estaduais do Republicanos e PSD, respectivamente, embora não tenha a base de deputados e tempo de televisão do PP, têm sob o seu comando uma quantidade considerável de prefeitos.

Caso o governador Paulo Câmara não decida por concorrer ao Senado, indubitavelmente o nome saíra de um desses três partidos.

EXPECTATIVA – O ingresso do presidente Bolsonaro no PP é visto como um estímulo e tanto para fortalecer as chapa proporcionados do partido. Em Pernambuco, mesmo a sigla ficando ao lado do PSB, a entrada dos deputados estaduais Clarissa de Tércio e Alberto Feitosa no Progressistas é uma possibilidade.

CORRENDO SOLTO – Pré-candidato a deputado estadual, Rodrigo Farias (PSB) cumpriu extensa agenda neste final de semana. No Recife ele participou de eventos promovidos por aliados nos bairros do Totó, Jordão e comunidade de Jardim Planalto, depois seguiu para Vertente do Lério, no Agreste Setentrional, onde cumpriu uma série de compromissos com o prefeito Renato Sales, o vice-prefeito Fábio, a ex-prefeita Wélita Sales e 6 vereadores. Rodrigo finalizou o domingo em Surubim em evento com a prefeita Célia Farias.

VAI DIVIDIR? – Em Joaquim Nabuco há grande dúvida se Lírio Júnior e João Carvalho irão caminhar com o mesmo deputado estadual no próximo ano. Para federal há uma certeza de que ambos estarão com Clodoaldo Magalhães. Em relação ao estadual, Lírio já teria decidido apoiar Franz Hacker. Em relação a João Carvalho, tem gente trabalhando para convencê-lo a caminhar com Aluísio Lessa.

PETROLÂNDIA – Oposicionista ferreno do prefeito Fabiano Marques (Republicamos), o vereador Said Souza (Podemos) deve concorrer à Câmara Federal. Ele fará uma dobradinha com o deputado estadual Wanderson Florêncio.

TIMAÇO – O deputado Guilherme Uchôa Júnior anda com uma equipe política bastante competente. Trata-se de Salviano Rufino e Bruno Oliveira. A dupla se destaca pela atenção aos prefeitos e lideranças, além da agilidade na resolução de demandas.

MATA SUL – Depois de já ter visitado os municípios de Chã Grande, Amaraji, Primavera e Ribeirão anunciando ações e obras, o governador Paulo Câmara deve retornar a Mata Sul nesta semana. A expectativa é que visite Escada, Vitória de Santo Antão e Pombos na próxima quinta-feira, e Sirinhaém, Rio Formoso e São José da Coroa Grande na sexta-feira.

CAMINHO – Filiado ao Partido Verde, o pré-candidato a deputado estadual Jorge Carreiro anda confiante de que a sigla conseguirá montar uma chapa proporcional. Carrero também não descarta que o PV participe de uma Federação.

Wellington Ribeiro é pós-graduado em Gestão Pública e Legislativa pela UPE – E-mail: [email protected] Whatshap (81) 99521-6544

COMMENTS