Túlio Gadêlha entra com representação na PGR para reter passaporte de Salles

Saiba mais informações clicando no link

Deputado estadual José Queiroz (PDT) encontra Lula em sua passagem pelo Recife
Túlio Gadelha debate política públicas para comunidade Trans
PDT reafirma candidatura de Queiroz ao Governo do Estado

Deputado Túlio Gadelha – Imagem/arquivo

O deputado federal Túlio Gadêlha (PDT/PE) entrou com representação na Procuradoria Geral da República, para a instauração da medida cautelar de inquérito para reter o passaporte do ex-ministro do meio-ambiente, Ricardo Salles, exonerado ontem (23), pelo presidente Jair Bolsonaro.

A ação tem como objetivo impedir a fuga de Salles para outro país antes que se concluam todas as investigações da Polícia Federal que apuram seu envolvimento no maior esquema de extração e exportação de madeira da Amazônia. Para o pedetista, é necessário que a Justiça aja rapidamente para impedir uma situação similar à do ex-ministro da educação Abraham Weintraub, que saiu do País assim que foi exonerado para driblar as investigações.

“Salles foi o grande símbolo do governo Bolsonaro do extermínio dos nossos biomas, do desmatamento da Amazônia e dos seus pactos com o setor do agronegócio, grileiros e garimpeiros. Ele não pode sair impune”, explicou o deputado.

No documento enviado ao Procurador Geral da República, Antônio Augusto Brandão de Aras, Túlio Gadêlha ressalta que Salles tem empreendido esforços com o objetivo de atrapalhar medidas de fiscalização ambiental, especificamente os relacionados à “Operação Handroanthus”, da Polícia Federal, que foi responsável pela apreensão recorde de aproximadamente 200.000 m³de madeira em toras extraídas ilegalmente por organizações criminosas.

A investigação, inclusive, foi deflagrada a partir da constatação da existência de transporte de madeira sem o “Documento de Origem Florestal” (DOF), o que caracteriza, em tese, o tipo penal de exploração ilegal de madeira (art. 46, parágrafo único, da Lei nº 9.605/98).

COMMENTS